terça-feira, 14 de setembro de 2010

Ninfeta virgem sendo estuprada pelo namorado

Perdendo a virgindade: estuprada pelo professor de física

Oi, eu sou Emanuelle,
tenho 20 anos e tenho contado algumas coisas interessantes que aconteceram comigo. Eu sou loira, bem branquinha, seios médios com auréolas rosadas, quadris largos, bunda grande e arrebitada, da qual cuido muito bem desde nova, já que faço esportes e danças há muitos anos, mantendo meu corpo sempre saradinho.
No último conto (boquete no banheiro do colégio), contei que estava com 16 anos, no último ano do 2º grau e que eu dei uma chupada gostosa no Leozinho, que estudava no mesmo colégio e a gente andava se pegando depois das aulas. Quando saí do banheiro que ficava no subsolo e subi as escadas, dei um encontrão no Alex, aquele professor de física que eu peguei no 1º ano do 2º grau e me levou pro motel a primeira vez, com 14 anos, com quem eu aprendi a chupar gostoso e a gostar (e muito) de chupar um pau. Meu coração acelerou, mostrando que eu ainda era caidinha por ele. Fazia quase um ano que eu não o via e já estava quase esquecendo dele.
Quando nos vimos na escada, sorrimos um para o outro e imediatamente ele veio na minha direção me dar um beijo no rosto. Eu retribuí, mas baixei meus olhos, meio sem graça, já que eu tinha acabado de um chupar o Leozinho, que tinha gozado horrores nessa mesma bochecha que ele beijou. Quando baixei o olhar, dei de cara com a mão dele… sem aliança! Procurei a outra, vai que minha lateralidade falhou e eu olhei a mão errada sem querer? Outra mão: sem aliança também. Meu coração acelerou, eu não resisti e soltei:
- Cadê sua aliança? O que aconteceu?
Ele fez cara de safado e falou:
-Separei. Já faz um tempo, até já comecei a namorar de novo uma menina, mas terminamos também. E você?
Com o coração na boca, respondi correndo:
-To solteiríssima!
O safado chegou perto do meu ouvido e falou:
-Continua virgem?
Eu fiz que sim com a cabeça, meio envergonhada. Ele então falou que ia me ligar pra gente marcar de sair no final de semana, segurou na minha cintura, me deixando arrepiada, e me deu dois beijinhos no rosto se despedindo. Eu terminei de subir as escadas meio cambaleante e corri pra casa pra tocar uma siririca pra ele no banho, lembrando do pau rosa gostoso que ele tem. Só que eu não agüentei e toquei umas 5 ou 6 naquele dia, gozando vááárias vezes, imaginando fazer de tudo com ele! Estava provado, eu continuava apaixonada por aquele safado! No sábado ele ligou pro meu celular e eu estava decidida a fazer tudo certinho dessa vez.
Se era pra ficar com ele solteiro, era para namorar com ele! Marcamos dele me buscar em casa, com hora para sair e hora para voltar, já que eu só tinha 16 aninhos. Quando ele pegou o endereço da minha casa, chegou a comentar “isso é que é namorada boa, ainda mora perto da minha casa!”. Nossa, ele tinha se referido a mim como namorada! Parecia que era a primeira vez que íamos sair! Aliás, era a primeira vez que sairíamos fora da clandestinidade! Eu fui bem gostosinha, me depilei toooda e coloquei uma calça branca justinha (era a moda daquelas calças com strech) e com uma calcinha de renda fio dental linda, era branquinha e tinha a frente com uma telinha quase transparente e umas flores bordadas. Na lateral tinha duas tirinhas e atrás, hummm, atrás não se via nada, já que minha bunda grande engolia ela todinha! Coloquei uma blusa vermelha com um decote generoso, um sutiã meia taça que colocava meus peitinhos pequenos para cima, fazendo parecer que eram maiores, e uma sandália de salto bem alto.
Enfim, era para deixar ele louco! Na hora marcada ele chegou e nós fomos (não, ele não foi de fusca, para o meu alívio!) pra um barzinho, tomamos um vinho e colocamos a conversa em dia, já que há muito não nos falávamos. Nos beijamos bastante e dessa vez era diferente, era gostoso poder beijar ele em público, sem medo de ninguém ver. Ele me contou da separação e falou que a filha tinha ido morar com a ex em outra cidade e ele tinha ficado na mesma casa, que era da família dele. Relembramos alguns encontros nossos e ele disse com todas as letras que era A-P-A-I-X-O-N-A-D-O por mim desde aquela época.
Eu estava nas nuvens! Dali fomos pra uma boate e dançamos bastante. Eu estava suada e minha calça de branca foi a transparente. Tudo quanto é homem me olhava. Eu, super-gostosa e quase nua na pista! Alex ficava todo bobo de ver que todos me desejavam e eu adorava ser comida com os olhos dos outros. Só que ele era ciumento, mal foi ao banheiro com medo de me deixar sozinha ali. Na despedida, já na porta da minha casa, ainda ficamos nos pegando no carro, ele passou a mão na minha bunda, lambeu meu pescoço, colocou meus peitinhos pra fora e passou a língua devagar em volta deles, o maior amasso no carro, mas o máximo que eu fiz foi pegar no pau dele por cima da calça, tudo pra deixar ele louco pra me ver de novo.
No dia seguinte nos falamos, mas não saímos, já que eu tinha que estudar pro vestibular. Era outubro, as provas estavam chegando. Durante a semana seguinte saiu o resultado de um ranking que o colégio fazia entre todas as suas filiais no país todo. Eu tinha sido o 1º lugar da minha filial e o 5º lugar geral. Então veio a notícia esperada, eu fui selecionada para a turma especial, que tinha aulas aos sábados o dia inteiro em uma outra unidade do colégio que era o modelo deles, ficava num shopping, cheio de infra-estrutura que eu não tinha nada no subúrbio.
E adivinha quem ia dar a 1ª aula? Sim, era ele, o Alex! Adorei saber disso, ele como meu professor de novo em um momento tão especial pra mim! Liguei logo pra ele e contei a novidade! Como ele morava perto da minha casa, sugeri dele me dar carona, já que eu teria que pegar 2 ônibus até chegar na unidade da turma especial. Combinei então, que às 6:30 da manhã ele me pegaria no ponto de ônibus perto da casa dele e dali sairíamos para o colégio. Tudo certo, só que eu estava ansiosa pela aula. Era tudo dando muito certo pra mim! Estava muito feliz! A ansiedade era tanta que eu acabei saindo de casa cedo demais e às 6 da manhã de sábado não tinha o trânsito normal de durante semana que eu estava acostumada a pegar. Acabei chegando no lugar marcado às 6:10, vinte minutos antes do combinado e a rua estava muito deserta! Não tinha ninguém à minha volta. Fiquei parada no ponto um tempo, pensando o que fazer e decidi ligar pro Alex pra avisar que eu já estava ali esperando por ele.
Ligo pro celular e toca, toca, toca e ele não atende. Liguei de novo, e de novo e outra vez. Eu já estava nervosa! Afinal, se ele tinha marcado comigo às 6:30, era de se pressupor que ele já estivesse no mínimo acordado às 6:15! Tentei então o telefone da casa dele e depois de alguma insistência ele atendeu, claramente ainda dormindo. Eu expliquei que já estava ali no ponto esperando por ele. Ele disse que ainda estava dormindo, que ia levantar, para eu ir pra lá pra não ficar sozinha, que era perigoso. Relutei, gaguejei, mas no fim achei melhor mesmo, afinal, eu já tinha estado sozinha com ele antes várias vezes e sabia bem controlá-lo.
Ele me explicou como chegar e eu fui andando, era bem pertinho de onde eu estava. Quando cheguei lá, ele abriu a porta pra mim ainda de roupão. Eu estava ansiosa pela aula e falei pra ele se apressar e se vestir logo, senão íamos chegar atrasados. Ele, meio mole, falou para eu me acalmar que dava tempo, me abraçou e começou a me beijar. Eu não estava a fim, estava nervosa, queria sair dali logo, mas ele não deixava. Começou a passar a mão em mim e tentar tirar minha blusa. Eu segurava a blusa e ele puxava, fui ficando mais nervosa. Ele então abaixou as alças da minha blusinha e segurou meus peitinhos com força e ficou mamando neles. Eu não sabia se eu estava gostando ou não. Um lado queria aquilo, mas outro só queria sair dali correndo pro colégio. Quando ele viu que eu larguei minha blusa e meus braços ficaram caídos ao longo do meu próprio corpo (não, eu não estava passando a mão nele), ele, num movimento rápido e brusco, arrancou minha blusa. Eu não estava de sutiã naquele dia, tinha os seios pequenos e clarinhos e a blusa era justinha e com forro, então não precisava.
Me assustei com aquilo e não consegui reagir. Foi aí que ele baixou minha calça jeans (eu até agora não lembro de como ele abriu minha calça) e deu de cara com minha calcinha branca, de malha com rendinha nas pontas. Eu não esperava que ninguém fosse ver minha calcinha naquele dia, menos ainda minha xaninha, que não estava nem depilada direito. Ele viu que eu levei um susto com ele baixando minha calça, riu e me pegou no colo e levou pro quarto.
Chegando no quarto, me jogou na cama e abriu o roupão, estava sem nada por baixo, vi logo seu pau duro olhando pra mim. Pensei: ta bom, hora de chupar! E tentei abocanhar a piroca dele, só que ele não deixou, me puxou pra cima e começou a dar chupões no meu peito, daqueles que doem e ficam com marcas roxas, sabe? Eu não estava no clima… Comecei a pedir pra ele parar, que eu não estava a fim.
Ele falou:
-Não vou parar, não! Você sempre ficou me atiçando, e agora você é minha namorada!
Eu fiquei pedindo pra ele parar e ele me deu um tapa na cara. Eu nunca tinha apanhado na cara, fiquei estática, sem reação e ele aproveitou e abriu minhas pernas. Eu senti e fechei. Ele tentava abrir e eu forçava pra fechar e empurrava ele com as mãos. Começamos uma briga na cama, eu tentava bater nele e ele tentava segurar minhas mãos, enquanto eu pedia pra ele parar senão eu ia gritar! Ele disse “ta bem, eu paro!”.
Eu relaxei por alguns segundos e ele me pegou e me virou de costas, foi tão rápido que eu nem lembro direito. Vi que ele levantou e cheguei a fechar os olhos relaxando pelo fim da briga. Agarrei o travesseiro e fiquei um pouquinho, até que senti ele encostando na minha bunda, passando a mão, até que abriu minha bunda. Quando eu olhei pra trás vi que ele estava cuspindo no meu cuzinho virgem. Não entendi nada! Mas o tempo de seu raciocinar foi o tempo de eu sentir ele encostar o pau no meu cu e forçar. Eu senti uma dor absurda! Parecia que tinha alguém me rasgando! Não agüentei e gritei de dor! Ele não esperava o meu grito, se assustou e eu segurei na cabeceira da cama e puxei meu corpo pra frente, tentando tirar o pau dele de mim até que consegui. Virei de barriga pra cima, tentando recuperar minhas forças, fiquei fraca de tanta dor. Meu coração estava disparado e me faltava o ar.
Eu comecei, então, a discutir com ele:
-o que você ta fazendo? Para com isso, vamos embora!
E ele retrucava que era louco por mim, que me queria, que eu era dele. Falava e vinha pra cima de mim, tentando me beijar e eu virava o rosto, minha bunda estava doendo demais. Disse que ele estava louco, que ele sabia que eu era virgem.
Ele soltou:
-“por isso mesmo, você é virgem, então deixa eu te comer por trás!”.
Eu respondi que ele estava louco! Aquilo doía demais! Comecei a empurrá-lo para longe e ele não saía de cima de mim. Eu estava meio sentada na cama e ele puxou o lençol, assim eu caí deitada na cama e ele subiu em cima de mim. Eu dei um tapa nele e ele segurou minha mão, comecei a socar ele com a outra e ele segurou a outra também. Eu ameacei gritar de novo se ele não me soltasse, então ele conseguiu juntar meus dois braços em cima da minha cabeça e segurou com apenas uma mão e com a outra me deu outro tapa na cara e tapou minha boca pra eu não gritar. Eu estava me debatendo muito, mas com meus braços presos e ele com o corpo em cima de mim, não conseguia me mexer muito, apesar do esforço. Não sei como, mas ele conseguiu se ajeitar no meio das minhas pernas e senti seu pau encostar na minha buceta.
Ele falou pra eu ficar calma que só ia botar a cabecinha, que era para eu ficar parada. Eu comecei a gritar com a mão dele me sufocando em cima da minha boca, abafando o som, eu dizia:
-“Não! Não! Por favor, não faz!!”!
mas era tarde, o pau dele achou o buraco da minha bucetinha virgem mesmo comigo me debatendo. Ele enfiou de uma vez só! Eu gritei forte um AAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH, de dor horrorosa! Nossa, nunca tinha imaginado que doesse tanto! Ele continuou me segurando e eu não conseguia fazer mais nada, mas não parava de doer, era demais! Até que eu desmaiei de dor embaixo dele, enquanto o Alex bombava com força e sem camisinha tirando meu cabacinho. Fiquei só alguns momentos desfalecida e quando acordei vi que ele ainda estava me fudendo, tinha tirado a mão da minha boca, mas continuava fazendo força nos meus braços presos em cima da cabeça. Arrumei força não sei de onde, encolhi minhas pernas e quando estiquei consegui tirar ele de dentro de mim. Quando senti que desencaixou, sentei na cama e comecei a xingar ele de tudo quanto é nome, enquanto ele continuou tocando punheta até gozar em cima de mim, sem nem ligar pro que eu dizia!
Até que falei: -Seu filho da puta, tirou minha virgindade!
Ele ainda teve a coragem de me responder:
-Você não era virgem nada! Se fosse e eu tivesse mesmo arrancado teu cabaço você devia estar sangrando e não tem sangue nenhum aí!
Foi então que eu olhei pra minha xana e passei a mão. Quando tirei, era só sangue, muito sangue! E eu comecei a xingar ele de novo, dizendo que ele não podia ter tirado a minha virgindade. Ele ignorou o que eu dizia e quando viu que estava ficando sujo de sangue na cama onde eu estava sentada, começou a tirar o lençol da cama, me jogando no chão, dizendo “você ta sujando tudo, sai daí! Vou colocar isso pra lavar”. Eu saí correndo e descobri onde era o banheiro (a casa era pequena), abri o chuveiro e entrei debaixo dele chorando, vendo o sangue escorrer.
Saí do banho e enquanto me vestia, sem falar nada com o Alex, vi que ele tomou banho, colocou uma roupa, me puxou pro carro e seguimos pra aula sem trocar uma palavra. Eu estava em choque e o pior foi ter que ficar olhando pra ele a manhã inteira na aula. Depois fiquei sabendo que na noite anterior ao acontecido ele tinha saído com uma menina de uns 18 ou 19 anos do pré-vestibular, que só andava de calça da gang e barriga de fora (bem vulgar), que tinha bebido horrores e tinha comido a putinha, acredita? Ele nunca mais ligou e eu matei todas as aulas seguintes que eram dele na turma especial.




Se quiser saber mais do que aconteceu depois que eu perdi o meu tão protegido cabacinho, fique ligado

Marcadores: , , , , , , , , , , , , , ,





0 Comentários:

Postar um comentário

revistasgratisfamosas@gmail.com

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial