terça-feira, 28 de setembro de 2010

Fui estuprada por dois negao e adorei a fantasia

Sou casada, com filhos, atualmente com 40 anos; vou relatar um fato real, que apesar de ser um estupro me deixou com tesão em paus bem dotados. Naquelas férias viajávamos pelo Brasil de carro; em uma estrada secundária, pegamos vários quilômetros de buracos devido às chuvas, e após pouco mais de 2 hs. transitando pelos buracos, caímos num enorme buraco, que amassou uma das rodas e rasgou um dos pneus; colocamos o estepe no lugar do pneu rasgado e seguimos, mas logo em seguida a roda que estava amassada murchou (pneu sem câmara), deixando-nos numa enroscada. Durante todo o trajeto naquela estrada cruzamos apenas com 02 veículos e nenhum posto.
Ficamos parados por mais de uma hora quando um caminhão passou e parou para ajudar-nos. O caminhoneiro falou que adiante tinha um posto com borracharia e que poderia levar alguém até lá. Preferi ir até o posto a ficar sozinha com as crianças no carro. Rodamos por mais de 30 minutos, quando ele pegou uma variante de terra, onde rodou por mais de 20 minutos e parou. Pedro, o caminhoneiro, era um negrão de 40 anos e disse estar morrendo de tesão por mim, que fazia mais de 40 dias que não via mulher e que com a mini saia a mostrar as coxas deixou ele tarado, dizendo isso começou a abrir as calças, foi qdo. reparei no volume por baixo de suas calças e dei um gritinho de surpresa. Sem nenhuma cerimonia ele tirou o pau pra fora e eu perdi o fôlego, era enorme, grosso, com as veias pulsando. Não conseguia tirar os olhos daquele monstro de carne pulsante, e ele sarcasticamente apenas falou que se eu não desse para ele me deixaria a pé e que para chegar até o posto ou de volta ao carro teria que andar por mais de 2 horas. Fiquei sem saber o que fazer e ele apenas pegou meu pescoço e forçou minha cabeça de encontro aquela tora. Ameaçador ele falou para chupar ou eu arcaria com as conseqüências, lembrando que qdo. Mais demorasse mais eles ficariam esperando no carro, e que no fim da tarde o borracheiro estaria fechado. Sem argumentos comecei a chupar aquele cacete imenso, com nojo, lambia apenas a glande, mas ele forçou na minha boca e mandou fazer direito, não teve outro jeito e comecei a chupar aquele caralho que mal cabia na boca. Chupei, dei um trato e na hora que ele ia gozar segurou minha cabeça com força de modo a manter a cabeça do pau inteira na minha boca, esguichando a porra na minha garganta, engoli na marra; era tanta porra que engasguei e quase vomitei no pau dele. Rindo, ele falou que agora a vez da boceta, olhei para o pauzão e mesmo após gozar estava duro e ereto como ferro. Ia esboçar uma reação, mas com mãos fortes ele me pegou e me jogou na cama atrás dos bancos, tirou minha saia, abaixou a calcinha e caiu de boca na minha boceta... começou a lamber minha xaninha com aqueles lábios carnudos... enfia a língua grossa e rugosa, roçando meu clitóris, ele me levou ao delírio, mesmo a contragosto, gemia com aquela língua hábil na boceta. Quando gozei gemendo alto ele posicionou a cabeça do pau na minha xaninha, aquele membro de 22 cm aproximadamente..., grosso, duro, começou a forçar, mas apesar de estar toda melada, molhada, a penetração era difícil e dolorida, arrancando gemidos altos, urros, berrava, e ele apenas ria cinicamente e empurrava aquela tora na minha boceta, que ardia, sentia-me sendo rasgada. Quando chegou na metade, não agüentava mais, comecei a soluçar e em desespero, comecei a socar, unhar, esmurrar, aquele cavalo que me fodia; ele me perguntou o que foi e eu aos berros: - não estou agüentando, tiiiiiiiiiiira...
Ele riu descaradamente e segurando forte a minha cintura tentou empurrar e nada, ele segurou mais forte e deu uma estocada com toda a força que rasgou minha boceta por dentro e senti a cabeça daquele caralho imenso tocar no meu útero arrancando um grito e lágrimas. Ele sem se importar ficou socando, tirando aquele monstro e enfiando novamente, bombando, eu sentia aquele caralho me dilacerando, me arregaçando, e ele socava, indiferente. Aquele suplício durou por mais de 20 minutos até ele gozar gemendo alto. Após tirar ele mandou eu limpar a porra do pau dele com a boca; fiz menção de reclamar e um tapão me convenceu que era melhor chupa-lo novamente. Após nos recompormos ele tocou o caminhão e voltando a estrada logo chegamos no posto aonde apenas um frentista e o borracheiro estavam. Ele pegou os pneus furados na carroceria do caminhão e se despediu com um beijo na minha boca que eu não pude evitar pela surpresa; entrou no caminhão e foi embora. O borracheiro e o frentista foram arrumar os pneus e ficavam cochichando, aproveitei e fui até o banheiro me lavar; minha boceta estava intumescida, inchada, dolorida, lavei o rosto, a boceta e quando estava para sair ouvi cochichos e quando olhei os dois estavam me observando sorrindo e com os paus para fora se masturbando. Um deles comentou que o Pedro (caminhoneiro) tinha deixado minha boceta inchada, mas eles também queriam, caso contrário não me levariam de volta até o carro. Comecei a chorar e implorei que não, que não agüentava mais nada na boceta, que estava dolorida, esfolada. Eles falaram que realmente minha boceta estava até inchada e era por isso que eles só iriam comer a minha bundinha. Gelei aterrorizada, nunca tinha feito sexo anal, nem com meu marido; mal tive tempo de reagir e os dois me agarraram, tiraram minhas roupas e com força me fizeram me apoiar na pia, empinando a bundinha para facilitar a penetração; enquanto um me segurava o outro lambeu meu cuzinho, enfiando a língua, deixando molhadinha, enfiou um dedo, depois outro e mais outro, preparando a penetração; colocou a cabeça e começou a forçar a penetração, foi difícil perder a virgindade no cu, não queria entrar, doía muito, ardia, foi quando ele falou que era melhor relaxar que iria doe menos, quer era para eu fazer força para fora para facilitar. Comecei a fazer força contra o pau dele, e senti o cacete entrando no meu cu, rasgando meu cabaço, quando entrou tudo, ele começou a bombar no meu cuzinho com força e violência como um desesperado; eu gritava, gemia, chorava e ele só socava. Quanto tempo durou não sei dizer, somente que ele gozou com estardalhaço, alagando minha bundinha com a sua porra. Me lavaram e como eu não oferecia mais resistência alguma o outro veio e começou a enfiar seu pau no meu cu. Era mais grosso que o anterior e doeu muito a penetração, bem como as estocadas; mas esse parecia ser mais experiente e socava devagar, bolinando meu clitóris, sem força, sem violência, aos poucos fui ficando excitada com a bolinação na boceta e fui descontraindo, facilitando o meu parceiro a me comer o cu. Com a excitação em alta, o tesão fez com que a dor amenizasse e aproveitei a foda, gozando nas mãos cheias de graxa. Após ele gozar no meu cu me lavei rapidamente e me vesti. Quando sai os dois já me esperavam em uma camioneta velha, com os pneus na carroceria. Me levaram até o carro, trocaram os pneus, nos orientaram a como chegar no hotel mais próximo e foram embora. Chegando no hotel, após comermos algo pois estávamos o dia inteiro sem nada, subimos para os quartos, as crianças em um com camas de solteiros, e eu e meu marido em outro. Meu marido foi tomar um banho e quando entrei no banheiro e tirei a roupa para tomar banho ele me olhou espantado e perguntou o que era aquilo; qdo. olhei as minhas nádegas vi as marcas das mãos sujas de graxa. Sem saber o que fazer, apenas falei:
- É as mãos do borracheiro que comeu meu cu.
Ao me ouvir falar isso meu marido me puxou e olhou a minha bunda, verificando meu orifício, falando: - Nossa.
Ao olhar minha boceta e ver ela inchada ele perguntou:
- E a boceta....
- Ah, foi o caminhoneiro que arregaçou.............
Ele apenas falou:
- Aquele negrão filho da puta.....
E caiu de boca na minha boceta, chupando-a, após me virou e chupou meu cuzinho e me falou:
- Vou comer seu cu também, agora que vc já deu mesmo não tem motivo para negar.
Fiquei de quatro no boxe do banheiro e falei para o meu marido:
- Vem come o cu da sua putinha estuprada, vem fode esse cu arrombado no estupro....
E ele não se fez de rogado comendo o meu cu que já estava dolorido, ardido.
Caso vc tenha um pau enorme me escreva (com fotos) e se for aprovado pelo meu marido quem sabe vc tbem me fode.

Marcadores: , ,





Fotos e vídeos amadores de casal fazendo orgia

Meu nome é Daniele e vou lhes contar aqui nesta página fantástica o que aconteceu comigo e meu noivo no dia 20 de abril deste ano (2006), pois não poderia deixar de contar essa maravilhosa história que se eu soubesse que seria tão bom assim teria feito muito antes.
Bom, vamos ao que interessa... Moro em Cuiabá (MT) e namorei com meu atual noivo durante 4 anos, já estamos noivos há 3 meses e vamos nos casar no final de maio. Com apenas 2 meses de namoro já estávamos transando. No início nossas transas não eram aquelas maravilhas, não sei se porque eu não conseguia me soltar tanto ou porque ele, com o passar do tempo, se especializou... mas o que posso lhes dizer que com esse passar do tempo essas transas foram ficando tão intensas que eu, as vezes, chegava a gozar umas 7 ou 8 vezes... e meu noivo, diga-se de passagem, se tornou um especialista em mim... Foi ai que, no auge de nossas transas (há quase um ano), quando já trocavamos palavrões e os desejos mais secretos foi que ele me confessou que adoraria transar comigo e outra mulher ao mesmo tempo... Caramba, aquilo me pegou de surpresa, não tive reação no momento e para não desaponta-lo prometi que isso iria acontecer...
Posso lhes dizer que jamais havia pensado em tal hipótese, não tinha opinião formada sobre aquilo, então pensei comigo, vou ficar quieta e quem sabe o Igor esqueceria essa maluquice... Que nada, todas as vezes que transávamos, no auge do rala e rola, ele tocava no assunto, e eu para esquentar ainda mais ficava fazendo ele imaginar como seria... o que, é claro, alimentava ainda mais suas fantasias...
Pronto, estava consumado... Certo dia, enquanto transamos loucamente, ele me contou detalhes de como queria que fosse o menage... Disse que eu teria que escolher a mulher e que poderia tanto ser uma amiga minha ou uma prostituta, desde que fosse muito bonita e gostosa... O “pior” viria agora... ele disse que, além de querer que fosse surpresa (eu chegar com a mulher quando ele menos esperasse), queria que eu e ela fizéssemos sexo (como lésbicas), onde eu deveria chupa-la, beija-la e vice-versa, enquanto isso ele só assistiria... depois gostaria que quando estivéssemos bem molhadas deveríamos chamá-lo para a brincadeira onde ele meteria primeiro em mim enquanto a outra mulher chupava, hora seu saco, hora meu clitóris... entre outras coisas que vocês já já saberão... Nossa, fiquei pasma com a riqueza de detalhes que era sua fantasia e ainda mais com a idéia de eu ter que ter uma relação homo com outra mulher, eu jamais havia feito isso... mas, confesso que todos aqueles detalhes me deixaram meio perturbada... mau conseguia trabalhar direito durante a semana pensando naquilo... e quando pensava muito então ficava molhada só de imaginar as cenas.
Bom, tomei coragem e resolvi realizar a fantasia de meu noivo que à essas alturas já tinha se tornado a minha fantasia também... Preparei tudo com uns 3 dias de antecedência, como tinha vergonha de falar um assunto desses com uma de minhas amigas e ciúme de dividir uma delas com meu noivo que, eu sei que, elas tanto cobiçam, resolvi contratar uma prostituta de luxo, dessas que não trabalham em boates, só para agencias... escolhi a mais bela de todas elas, afinal já que teria que ser feito que fosse bem feito... e deveria ser uma mulher que deixasse o Igor de pau duro o tempo todo. Caramba, e ela era realmente muito bonita, pele clara e levemente bronzeada de olhos azuis e cabelos pretos, com mais ou menos uns 1,75 metros e um corpo e rosto muito bonitos, combinei tudo com ela antes, inclusive disse que teríamos que transarmos nós duas e que eu nunca havia feito isso... ela disse que seria maravilhoso e que eu poderia ficar tranqüila que depois que transasse com ela sempre iria querer outra mulher...
Reservei um quarto de um motel 5 estrelas pro dia 20 de abril às 23:00h e marquei para que a moça ficasse nos esperando dentro da suíte... Ahh! Esqueci de um detalhe, dia 20 de abril, foi aniversário de meu noivo... preparei tudo para que fosse o melhor presente de aniversário da vida dele – o que depois ele me confessor que realmente foi. Gastei uma grana, mas valeu a pena.
Naquele dia (20), saímos para jantar ai pelas 21:00h, no restaurante lhe entreguei uma lembrancinha... conversamos muito sobre a vida, nosso futuro, e a conversa acabou se desviando para o sexo, o que é claro, eu adorei... ai quando percebi que já estava quase chegando a hora H, sugeri que fossemos terminar aquela conversa em outro lugar mais reservado... Para disfarçar, aproveite a situação de que era seu aniversário e disse que eu escolheria o motel, que eu pagaria o mesmo e que eu iria dirigindo o carro... nada mais perfeito, né?!
Quando chegamos ao motel, a moça (a prostituta, prefiro chamá-la de moça) já estava a nossa espera com um espartilho branco muito bonito. Ela ficou escondida atrás de uma cortina que havia no motel enquanto eu e o Igor entramos na suíte nos beijando loucamente e tirando nossas roupas. Quando eu estava somente de calcinha, disse para ele que parasse por ali que ele teria que esperar mais um pouco pra me comer naquele dia... ele fez uma cara de decepção e surpresa ao mesmo tempo, como quem não entendeu nada... foi então que chamei a moça para a brincadeira... Quando ela saiu por detrás das cortinas pude ver um lindo sorriso no rosto do Igor, um dos mais bonitos que já vi. Eu estava louca de tesão, muito mais pela idéia de transar com aquela mulher do que oferecer ela a meu noivo.
Foi então que começamos... o Igor tentou se aproximar dela, mas na hora eu disse que não, pois aquilo não estava no script (e o script foi ele quem “escrevera”’) e ele deveria ficar esperando ali na cama e o máximo que poderia fazer seria bater uma punheta. Ela veio com um toque macio e suave sobre minha pele, que me arrepiou todinha... começou a chupar meus seios e foi descendo até chegar na minha buceta... eu não sabia o que fazer, mas quando ela começou a chupar meu clitóris, não deixei, puxei ela pra cima novamente e beijei-a como beijava meu noivo no inicio de nosso namoro, loucamente... aquele beijo me enlouqueceu desci beijando cada centímetro do corpo daquela mulher até chegar em sua bucetinha raspadinha... chupei, chupei e chupei, até sentir ela gozar... depois ela me chamou para um 69, enquanto isso o Igor estava na cama de pau na mão olhando nossa cena fixadamente e meio sem saber o que fazer, pois deveria respeitar as regras que ele mesmo havia sugerido... fizemos um 69 maravilhoso até que ela me fez gozar... depois que nós duas havíamos gozado chamamos o Igor para a brincadeira... e tudo aconteceu como ele havia imaginado, ele me colocou de 4 e começou a comer minha buceta, enquanto a moça chupava meu clitóris e seus ovos... eu não sabia que aquilo seria tão bom... tanto pra mim, quanto pra ele... nossaaaa é uma sensação maravilhosa, sentir o pau entrando e ter outra pessoa chupando seu clitóris.. ele então, a cada chupada que ela dava em seus ovos chegava a urrar de tesão... depois que eu gozei loucamente ele colocou uma camisinha e colocou ela sentada sobre ele e fez com que eu ficasse chupando seus ovos... a bunda dela batia em minha cabeça foi quando abaixei mais e comecei a chupar o cu dele... foi ai que ele enlouqueceu mais ainda.
Como vi que ele estava louco de tanto tesão resolvi fazer uma coisa que nem saberia qual seria a reação dele, molhei meu dedo com o liquido que escorria da buceta dela e enfiei no cuzinho de meu noivo e apertei sua próstata por dentro... aquilo o deixou com tanto tesão, que em menos de 10 segundos ele gritou tão alto que o motel todo deve ter ouvido e gozou como um cavalo, a prostituta parecia uma boneca de tanto que ele a levantava e puxava-a de uma vez para seu encontro... foi o orgasmo mais forte que já vi o Igor ter...
Depois de tudo isso ainda transamos várias vezes naquele dia, onde ele comeu meu cu, o cú da prostituta, fodemos na sauna, na banheira e acordamos no dia seguinte os 3 abraçados e nus e, é claro, fodemos novamente os 3 juntos com muito mais sacanagens ainda... depois ainda tomamos café da manhã e fomos para a piscina para relaxarmos antes de irmos embora...
Esse foi o relato da história verídica que aconteceu em abril deste ano (2006), desde então eu e o Igor já imaginamos outras fantasias muito mais maliciosas ainda, mas resolvemos deixar para depois do casamento, ou seja daqui a menos de 1 mês (em maio de 2006)... caso você seja mulher e deseje nos conhecer para um maravilhoso menage, mande nos um e-mail para nos conhecermos, posso garantir que somos um casal muito culto (os dois com nível superior) e muito bonitos... Já nos passou pelas nossas fantasias também a idéia de uma transa com outro homem ou um swing com um casal de nossa faixa etária (23 a 30 anos), mas por enquanto queremos explorar primeiro o ménage feminino e quem sabe com o tempo até outras coisas mais picantes

Marcadores: , , , , , , ,





Minha empregada gostosa chupando minha buceta

Minha historia comecou quando eu tinha 17 anos e morava no Brasil.pois a orlando,USA Ja faz 7 anos,eu morava em Niteroi Meu nome e Daniella e tenho 1 e 71 de alt,68 klg,olhos e cabelos castanhos claros,tenho as coxas grossas,a bunda grande e empinadinha e uma bucetinha quentinha e bem depilada dos ladinhos e a boca carnudinha e sou bem sexy,e estou sempre molhadinha,Agora eu sou casada ja tenho duas filhas mas ainda adora um sexo,tenho 27 anos e meu marido que nao e Brasileiro e um fracasso na cama atualmente antes nao mas egora nao sinto nada com ele,vivo recordando minhas putarias no Brasil e me masturbo todas as noites do lado dele,nem ligo,mas a minha historiafoi quando eu tinha os 17 anos e nunca sai da minha cabeca pois virei putinha da empregadinha,minha mae estava a procura de uma nova empregada pois ela havia mandando embora uma e estavamos a procura,entao um dia que eu estava embaixo na portaria do predio conversando com o porteiro vejo passar a uma menina feiosa que havia conhecido em uma festa na casa na casa de uma amiga da minha mae ela havia ido acompnhando a patroa dela e estava brincando com umas criancas nesta festa,eu nem dei tanta ideia assim pois estava trocando ideia com um gatinho sobrinho da amiga de minha mae,e demos uns beijos mas nao vem ao caso quando a vi passar e a chamei ei menina lembra de mim e ela atravessou a rua e veio no predio o porteiro abriu pra ela e ela disse claro na festa de ....eu perguntei se ela estava trabalhando ela disse que nao entao eu consegui por ela pra tabalhar em minha casa,ela era alta bastante uns 1 e 80 de alt era magra mas nao esqueleto estava bem o corpo dela so nao tinha muita bunda e as pernas eram muito longas e finas era feinha e tinha o cabelo bem mal tratado,mas eu nao estava atraz de uma namorada nem amante so queria uma empregada,com o tempo nos tornamos grandes amigas,eu morava numa cobertura tinham quatro quartos ja meus irmaos eram casados eu dormia sozinha,minha cama tunha outra de puxar embaixo e acabou que eu pedia pra ela dormir la comigo pra me fazer companhia,ela topava e minha mae nao esquentava pois ela gostava que eu tivesse amigas e nao ficasse muito sozinha,mas depois de umas tantas noites,eu uma noite fui tomar banho eu sempre gostei de dormir com roupas de dormir eu fui tomar banho e coloquei uma camisolinha nem era sexy era da monica,e so de calcinha sem sutia nao costumo dormir de sutia,pois sempre gosto de me dar umas tocadinhas e apertar meus biquinhos,acabei de tomar banho eela foi tomar o dela,e depois veio pro quarto ligamos a teve, conversamos e eu dormi, la pras tantas sinto uma coisa molhadinha no biquinho do meu peito eu gelei eu falei e agora,nossa que faco!Mas me deu um escalafrio me arrepiei toda era a bica de minha amiga que chuava meus peitinhos e passava a linguinha entao eu escutei ela dizer desculpa-me amiga eu morro de tesao por vc e era louca pra fazer isso,eu dei um salto ela ficou sem graca e parou eu nao disse nada guardei meus peitinhos e fingi que estava dormindo,pra ver qual era a dela eu senti uma enorme vontade de ser chupada por ela alias era a primeira vez que uma mulher iria me chupar,para provar eu por debaixo do meu edredon enfiei bem a calcinha no meu cu,e virei de bundinha pra cima e me destapei pois com a teve ligada ela poderia aprecia bem minha bundinha,e sentia que ela estava como louca a senti gemer acho que ela estava tocando uma olhando pro meu corpo,e de sacanagem virei de frente e me fiz a dormida e abri as pernas e ela nao aguentou e foi alisando de levinho meu corpo pela camisola e levantou a camisola todinha deixando meus peitinhos de fora e os biquinhos estavam arrepiadinhos ela mamava e apertava os biquinhos e descia com a lingua e beijava minha barriga lambia mordia e enfiou a lingua no meu umbigo,me enchia de tesao eu queria suspirar gemer mas me segurei,ela comecou a alisar minha xoxota por cima da calcinha eu queria logo que ela metesse o dedo e quando ouvi ela dizer e melhor eu parar por aqui e me deu ate uma coisa,mas ela continuou ainda bem,e foi lambendo de novo meus peitinhos e colocou o dedinho dentro da minha calcinha e tocou no meu clitoris e massageava ele com os dedo e era maravilhoso depois enfiou a mao toda detro de minha calcinha e acariciou meus pelinhos e comecou a apertar meu grelinho e nao agueitei ecomece a mexer no dedinho dela,ela disse eu sabia que voce estava acordada e que estava adorando mas eu estou aqui epra te dar tesao e ver vc vc gozar feito uma vadia e vc vai ser minha puta de hj em diante.Na hora ouvindo isso eu mas mexia e delirava e ela comecou a susurrar no meu ouvido a passar a linguinha e beijar meu pescoco e nos beijamos ela chupava minha lingua e lambia minha cara era uma delicia eu tava molhadinha,ela enfiou um dedo dois dedos e comecou a me fuder com eles bem forte e eu rebolava e dizia pra ela meter mas dedos e comer mas forte ela enfiou mas um eu gozei bem gostoso nos dedoes dela que ela tinha uns dedos otimos.e depois ela me,mandou deitar virada pra ela na beira da cama e abrir bem as pernas que ela queria apreciar bem a minha xoxotinha eu me abri bem a ela disse que buceta linda e gostosa e esta toda babadinha vou chupar sua babinha todinha e me lambeu me chupou e passava a lingua no meu grelo e descia no buraco,e me lambia la dentro e continuava no grelo e enfiava o dedo dentro da minha buceta e continuava chupando depois desceu um pouco e lambeu meu cu,e tirou o dedo da minha buceta e chupava os dedos dela tb e enfiou no meu cu e depois ficou mamando meu grelinho eu gpzei na boca dela senti minha babinha sair quentinha e ela chupando pensei que ela fosse parar mas ela me mandou ficar de quatro e comecou a enfiar a lingua no meu cuzinho e pava os dedinhos no grelinho ao mesmo tempo e depois comecou a fuder meu cu com os dedos e doia muito pois eu os tinha bem apertado ela enfiava com forca e eu me tocava na xoxotinha minha e era uma delicia,e gozei de novo e ela pediu meu dedo e os chupou e deitei e ela veio lamber meus pentelhinhos e alisarlos,e disse pera ai putinha que eu volto como ela estava vestida foi na cozinha e trouxe uma cenoura,quando eu vi aquilo eu disse logo,nada disso ela disse escuta aqui puta vou meter de qualquer maneira melhor fica quetinha e abra estas pernas,eu senti maior tesao nela quando me disse isso e comecou a meter de pouquinho aquele cenourao na minha buceta mas era grande e fina e me deu ate medo de quebrar mas ela fez com geito ,e me meteu aquela cenoura la dentro e me fudia com a cenoura me mandava mexer e com a outra mas abria pra ver bem meu grelinho eo massageava e me comeu ficamos um tempo nisso ate que gozei na cenoura e ela tirou a cenoura e comeu todinha,ela me abracou depois de comer a cenora e me alisava a bunda e mamava meus peitinhos e comecou de novo a tocar minha xoxota eu morrendo de tesao coloquei os seios dela pra fora nossa era lindo o peitnho dela o unico mesmo era durinho e de biquinho marrom bem bem redondinhos e comecei a aperta-los e cai de boca nestes peitinhos lindos e mamei muito e lambia e mordia os biquinhos dela e vagaba gemia baixinho e ela sentia tesao naquele bucetao porque eu mamava os peitos e ela abria as pernas oferendo a xota pra eu tocar mas continuei nos peitinhos ela comecou a se tocar e coloquei, meu dedinho no bucetao dela,ela estava toda lambuzada,e comecei a esfregar meus dedos no grelao dela e enfiei quatro dedos dentro da buceta dela e a fodi cm muita forca e tesao ela gozou feito uma cadela no cio,e me disse chupa-me eu ajoelhei no chao abri ela bem e dei de cara com aquele xoxotao enorme toda pentelhuda e um grelao enorme pra fora,cai de boca sem pensar muito na hora e aquele cheiro forte de buceta me deu um puta tesao e chupei chupei muito lambi o grelo dela e mamei nele como se fosse um caralho e desci e lambi aquele cu sem pregas e enfiei o dedo no cu dela arrombado e a fiz rebolar na minha lingua e senti aquele melzinho quentinho na minha boca e engoli o mel dela todinho e ela ficou ali paralisada e me disse senta aqui com a xoxota sua na minha boca e brincou com meu grelinho e me fudeu com a lingua eu ensfreguei a minha xota na cara dela e ela chupava com gosto depois virei pra fazer um 69 com ela e nos chupamos com muito tesao mas ela parou e me deitou na cama e abriu aminha buceta e tocou uma siririca bem gostosa e disse pra eu me aguentar que quando eu quizesse gozar pra dizer a ela e quando eu estava quase vindo ela deitou abriu as ernas e ela com a cabeca pra cabeceira da cama e eu pros pes enconstamos nossas xoxotas e nos esfregamos como loucas e gozei rapido e muito me molhei senti muita baba mesmo ela meteu o maozao na minha buceta se lambuzou e chupou tudo,deitamos um pouco ela deitou por cima de mim e ficou lambendo meu peito e nos vestimos e fomos a tomar um banho e ela passou sabao pelo meu corpo todo e tocou meu grelinho com sabao e foi delicioso e lavei bem aquele xotao dela e a mandei sentar na pia do banheiro e comecei a chupar-la ela merescia pois era uma delicia na cama,e a chupei com muita vontade e minha e os pentelhos dela saian na minha boca ela disse que eu podia raspar mas eu disse que nao que no esfrega esfrega me dava mior tesao e mamei aqueles seios lindos,e a fiz gozar com minha siririca no grelao,e ela ficou em pe eu ajoelhei e chupei a xota dela com ela em pe,e a agua rolando no boxe e sentei e comecei a me masturar com a mangueirinha do banheiro eu espirrava a aguinhano meu grelo e ate que gosei e ja estava exausta e isso foi o bom se fosse um homem ja estava dormindo,nada como trepar com uma mulher e eu nao nem pensava nada com ela pois era feia e nem fazia meu tipo mas foi 10 e transavamos sempre,ao que eu fudesse com um carinha ela chupava minha buceta cheia de porra ela me chupava de manha pra me dar bom dia e de boa noite ela adorava mamar meu grelo,e combinavamos na cama eu adorava o que ela fazia ,saimos do banho ela fomos de toalha pro quarto ela me disse que queria me chupar mas eu disse que nao ela me deu um tapao na cara e disse cadela eu te mando e vc vai fazer o que eu quero senta ai na comoda e me abriu bem e de novo me chupou e gozei na boquinha dela e deitamos e nos esfregamos de novo e depois que ela gozou me beijou e dormimos abracadinhas e foi uma noite maravilhosa e inesquecivel por esta eu me toco todas as noites.espero que tenham gostado do meu relato veridico.um beijao e abracao pra todos...bye bye e contarei mas transas minhas e espero que tenham lido a que trepei com meu pai,bye bye

Marcadores: , , ,





segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Ninfeta gostosa perdendo a virgindade dando cuzinho

Olá meus amados leitores .Hoje vou contar como perdi o cabaçinho do meu cuzinho .Pois o da minha xoxotinha eu conto em um próximo conto.
Era feriado de páscoa,minha familia e eu sempre nos feriados de páscoa viajavamos,iámos para a fazendo do irmão do meu pai(tio Alex).Que ficava localizada no sete povos(interior do Rio Grande do Sul).
Dessa vez não foi diferente,fomos todos,chegando a fazenda de tio Alex,fomos nos acomodar .
Eu pedi para que meu pai me ensinasse a andar de cavalo,meu pai negou,pedi para tio Alex me ensinar,ele negou tambem.
Ninguem queria me ensinar,ficar com uma pirralia chata tendo que ensinala a andar e cavalo.
Tio Alex chamou Damião um peão da fazenda,Damião era moreno escuro do sul,alto,muito forte com pelos no peito,coxas grossas apertadas naquela calsa jeans velha e suja,uma camiseta branca,suja e suada,pois ele estava lavando e enciliando os cavalos.
Meu tio o chamou e deu a ordem que Damião me ensinasse a montar e galopar no cavalo,disse a Damião que me deixasse tão boa que eu poderia competir se quizesse.Claro que ele disse isso para me ver feliz e parar de encomodalos.
Damião me levou até os cavalos,escolheu um garanhão,me ajudou a montar no cavalo .Fiquei sentada em cima do cavalo enquanto Damião o puxava pelo ensilho,eu estava com uma calsa de ginástica branca,e uma camisa xadrez,meus cabelos longos estavam presos.
Damião caminhou comigo por uma estrada da fazenda,guiando o cavalo,e eu me sentido a dona do mundo,meu pai minha mãe e meus tios passaram de carro por nós,estavam indo no mercado no vilarejo ,que era um pouco longe da fazenda uns 40 minutos de carro,estavam indo comprar peixe pois era Sexta-Feira Santa.
Imaginei eu e Damião sozinhos naquela gigante fazenda,fiquei bem putinha em cima do cavalo,empinava minha bunda,e Damião nem me dava bola.
Pedi que me ajudasse a descer do cavalo,pois estava com minha bundinha cansada ,ele veio todo suado e me ajudou,me joguei em seus braços,minha bocetinha rossou na cara dele,estava suada,e minha calsa era branca colada,mostrava minha rachadinha e inchadinha buceta.
Montei no troco de uma árvore,e pedi que Damião sentasse atrás de mim e me ensinasse o movimento que eu deveria fazer com os quadris enquanto montava o garanhão.
Damião sorriu e falou:
-Olha menina,não vai me complicar aqui,oque seu pai falaria se visse essa cena que você quer?Iria perder meu emprego.
Eu olhei para Damião e falei:
-Não prescisa se preocupar,todos foram comprar peixe,e eu quero muito aprender vai,me ensina.
Damião montou atrás de mim,encaixou suas coxas e encostou aquela piça dura,que estava presa por sua calsa,e começou um movimento de vai e vem.
E eu bem safadinha empinava meu rabo e rossava gostoso.Vi que ele tava loco de tesão,pois não tirava os olhos do meu rabo.
Ele segurou minha cintura e apertou contra o corpo dele,e os movimentos ficavam mais fortes,e minha xaninha deixava minha calsa e o tronco da árvore muito molhados.Peguei as mãos dele e levei até meus seios,senti ele apertar e dar um longo gemido,abrindo com toda força os botões da minha camisa,ele arrancou todos,e meus seios pularam para fora.
Branquinhos macios,com meus biquinhos rosas.
Fui a loucura,aquele homen suado e sujo do trabalho,Damião abriu sua calsa e saltou para fora uma piça enorme e grossa e muito suada,ele saiu de trás de mim me tirou no tronco da árvore e me obrigou a chupar,lamber engolir toda sua extenção de piroca.
Me deliciei chupei muito gulosa,tirei minha calsa e pedi que ele chupasse minha xaninha,Damião se abaixou olhou para ela,e começou a lambe-la,dizendo que era a bucetinha mais linda,cheirosa e pequena que ele já havia visto,lambeu e lambeu enquanto batia uma bela e gostosa punheta .
Eu já estava estourando de prezer,pedi que ele enfiasse seu cacete na minha bucetinha.
Damião me olha e diz:
-Sua safada você está louca? Não vou comer sua bucetinha virgem não, não sou nem louco, não vai ser eu o otário que vai tirar esse selinho não.
-Quero é outra coisa,quero seu cuzinho.
Eu nunca havia dado meu cuzinho,somente minha xaninha,e ele estava achando que eu era virgem,e queria meter no meu cuzinho.
Disse a ele que não.
Ele me pegou no colo e disse que iria comer somente minha bucetinha,sorrindo,que sorriso sinico,me colocou montada novamente no tronco,e montou atrás e mim,como eu era baixinha na época meus pés não encostavam o chão,mas os dele sim,ele tinha toda a situação em seu controle,me curvou me fazendo abraçar o tronco,deu duas dedadas de guspe no meu rabo e falou :
-Você queria aprender a cavalgar,então hoje você vai aprender a cavalgar aqui no seu cavalo,minha égua.
E socou todo seu cacete no meu cuzinho que era virgem com todas as preguinhas no lugar,cravei minhas unhas na árvore que eu estava abraçada,apertei meu cuzinho para fechalo,e senti aquela piça toda me prenchendo,ele me segurou pela cintura e começou a bombar muito forte,trouxe meu corpo contra o seu,e apertava meus seios,pegava meu grelinho com a ponta de seus dedos,e bombava com toda aquela piça enfiada no meu cuzinho,.
Fechei meus olhos,e me senti cavalgando ,começei a gozar muito.
Eu ali sentada naquela piça dura com as mão apoiadas em suas coxas grossas e peludas,e a mão daquele homen suado masturbando meu grelinho,enquanto a outra me segurava trançando seu braço por volta da minha cintura.
Senti aquele jato quente dentro do meu cuzinho e muito mais lubrificação,aquele pau estava bombando inchadão duro de mais estava esporreando meu buraquinho rosa,enchendo de gozo ,olhei para baixo e via as bolas sujas de leite,aquele cavalo gritava tanto.
-Sua puta,ordinária,vem aqui sugar todo meu leite agora,com essa boca vem.
Eu pulei do tronco e começei a limpar o pau dele ,chupei muito,limpei tudinho,ele me olhou e falou:
- Sentiu o gosto do seu cuzinho,sua biscate,é gostoso né,que delicia de rabo esse,guriazinha.
Passei a mão pelo meu cu,senti ele arrombado abertinho e bem mohado,pedi para que ele lambesse meu cuzinho,ele prontamente veio lamber,passou a lingua e derrepente meteu sua piça novamente.
Me colocou de quatro na grama,e meteu gostoso,abria minha bundinha e socava aquele rolo groso e grande no meu cuzinho gozado,eu sentia todo me invadindo e me sentia uma cadelinha no cio,ali sendo currada por um peão.
Ele gozou novamente,tirou seu pau enfiou a cara e me deu uma mordida forte na bunda,saiu sangue e ficou marca.
Na hora eu levantei e briguei com ele,como ele poderia ter feito aquilo,ele me olhou e suado sorriu chegando perto de mim passou sua mão na entradinha da minha bucetinha e falou:
-Essa foi pra ti nunca mais esquecer quem arrombou esse cuzinho pela primeira vez,vai levar essa marca para sempre,tua sorte é que não arrombei essa xoxotinha,mas quem sabe eu resolvo fazer isso até domingo.
Ele levantou montou no cavalo e saiu em direção a fazenda do meu tio,me deixando ali ,nua e toda molhada gozada,arrombada,eu estava que não conseguia nem sentar de tanta dor,mas estava satisfeita,me sentindo uma mulher adulta coloquei minha roupa e voltei caminhando para fazenda.
Chegando lá ,já estavam toda a familia,meu tio chegou em mim e falou:
Damião me disse que te deixou no meio do caminho,e que você ainda não leva jeito para montaria,mas ele prometeu te deixar profissional até domingo,.
E toda a familia riu,mau sabiam eles que eu tinha montado e montado muito na piça de Damião

Marcadores: , , , , , , , , ,





Minha vizinha gostosa e tesuda tomando banho de sol pelada no quintal

Oi gente...
Me chamo Pedro,sou de Niterói(Rj),tenho 26 anos e essa história aconteceu comigo a uns 2 meses atrás.
Tenho uma vizinha deliciosa que se chama Gláucia.Uma loira espetacular,mais ou menos 1,70,peitos médios e uma bunda deliciosa.Sempre que acontecia de nos encontrarmos seja no clube,ou na praia,meu tesão por ela quase explodia.
Conheço ela há mt tempo,mas vendo ela de biquininho fio-dental era demais pra mim,meu pau latejava de tesão na cueca,só de imaginar aquela boca quente me chupando....
Até que um dia eu chegando do trabalho por volta das 19:00,encontro com a Gláucia na entrada da rua.Não nos víamos há algum tempo...
__Td bem Gláucia?O que houve pra voce sumir desse jeito?Não te vejo mais por aqui...
__Verdade Pedro.Depois que terminei meu namoro tenho andado meio desanimada...`
Só de ouvir o ''terminei meu namoro'' meu pau deu sinal de vida.Minha cabeça ja começou a imaginar uma série de loucuras com aquela maravilha.Então continuei:
__Nossa,que chato isso...Mas acontece.Agora que vc ta sozinha,já posso te convidar pra fazer algo.O que vc acha?
De cara ela respondeu:
__Sem problemas,e pq não?
Aquilo me deixou de novo com muito tesão.Peguei o numero dela e fiquei de ligar naquela mesma noite.Por volta das 21:00 liguei pra Gláucia,marcamos e por volta das 22:00,saímos
Ela estava estonteante,com um perfume cheirosíssimo e um vestididinho preto que me deixou de boca aberta.Seus peitos pareciam querer saltra do decote...
Fomos a um barzinho afastado da cidade,e lá batemos papo e com o efeito da bebida,a coisa foi esquentando...Num certo momento,perguntei a ela o porque do fim do namoro,e ela sem pestanejar respondeu:
__Acabou o tesão...
Sem pensar,e querendo deixar ela mais solta ainda soltei:
__Gostosa desse jeito,como alguém perde o tesão em voce??
Foi a deixa.Começamos a nos beijar loucamente ali mesmo,paguei a conta e fomos rumo ao Motel.
No caminho ela pegava meu pau,eu brincava com o dedo dentro da buceta dela,que ja escorria de tesão.
Entramos no Motel e eu ja fui tirando o vestiddinho dela e meu sonho estava se realizando:aquela deusa loira doida pra dar pra mim.Deixei ela só de calcinha e sutiã e vi q bunda perfeita ela tinha...
Não pensei 2 vezes.Caí de boca naquela buceta gostosa,e quanto mais eu chupava,mais ela pedia:
__Isso Pedro,chupa essa buceta,chupa.Depois quero sentir esse seu pauzão me rasgando no meio,todinha sua...Isso,que lingua gostosa do caralho,vai,vai,chupa essa buceta q a partir de hoje vai ser só sua,chupa gostoso,caralho q tesão...
Ela falava isso e meu tesão só aumentava.Meu pau parecia uma pedra dentro da cueca.Depois de chupar aquela buceta deliciosa,foi a vez dela colocar aquela boca quente e gostosa dela no meu pau.
Chupava e ficava me olhando,passando a lingua só na cabecinha,chupando meu saco,colocando meu pau inteirinho na boca...Náo aguentava mais.
Coloquei ela de 4 na cama e tive a visão mais perfeita na minha vida:aquele bundão empinado pra mim e ela me chamando:
__Vem Pedro,come essa bucetinha come...Vem meter esse caralho em mim,até o saco...Me faz sua putinha,sou toda sua...
Nem precisava.Coloquei a camisinha,botei a cabecinha e ouvi ela gemer.Continuei e coloquei tudo de uma vez só...Ela soltou um gemidinho de tesão e pedia pra eu come-la mais e com mais força:
__Me come cachorro,enfia essa pica na minha buceta....ta sentindo como ela ta molhada?Como ela ta molhando seu pau,cheia de tesão?
Eu bombava ela até o saco,segurando ela pela cintura e puxando seu cabelo...Depois de mutio meter nela de 4,ela veio sentar no meu pau com aquela buceta pingando de tesão...
Cavalgou gostoso,eu segurava os peitos dela com uma mão,e com a outra encaixava ela até o talo pegando na cintura...Que delícia tava fuder a Gláucia...Mas o melhor estava por vir...
Com ela cavalgando no meu pau,fui metendo o dedo no cuzinho dela,e ela adorando:
__Quer meu cuzinho,quer encher meu cuzinho de leite,quer?Vem meter nele então,quero sentir ele la no fundo...
Tirei o pau da bucetinha dela e bem devagarinho comecei a enfiar meu pau,que estava duro como uma rocha,naquele buraquinho rosinha e gostoso da Gláucia...Ela sentindo a cabeça passar,começou um rebolado que só de lembrar me deixa com tesão,ia rebolando e pedindo:
__Isso caralho,que pau gostoso no meu cu...Vai,come esse cuzinho.Tá gostoso?Então mete nele,mete...
Eu socava aquele cu com muito gosto.Entrava e saia com muito tesão.Meu saco batia na bunda dela e eu ja não conseguia mais segurar o gozo.
Avisei a ela q ia gozar,ela rapidamente veio na direção do meu pau pedindo meu leite:
__Me dá esse leitinho quente dá?Me dá essa porra todinha na minha boquinha,seu gostoso....Vou querer dar pra voce sempre agora,sempre sempre....
Ouvindo aquilo,gozei como há muito não gozava...Enchi aquela boquinha gosotosa da Gláucia de porra,e ela ia lambendo meu pau e engolindo meu leite todinho.
Ficamos ali na cama um pouco,e depois continuamos no chuveiro,eu comendo ela em pé,na pia,e novamente enchendo aquela boca deliciosa de leite...
Não vejo a hora de estar com ela novamente,estamos marcando pra passarmos mais uma noite de tesão

Marcadores: , , , , , , , ,





Casada gostosa puta e safada e marido que adora ser corno

Vou resumir os fatos ok, mesmo porque eu estava nervoso na hora, muita coisa parece que passou como um furacão na minha cabeça e não posso entrar em detalhes em certas coisas, até pra leitura não ficar cansativa também...
Esse conto é 100% real, e na verdade é mais um desabafo aqui.
Bom, o que vou contar aqui, é uma continuação do relato (Existe uma puta dentro de cada mulher) que fiz quando descobri que minha noiva foi infiel, por 3 vezes. E só não deu para outro por falta de oportunidade!
Ela me explicou tudo, dizendo que realmente sente tesão em outros, é algo mais forte que ela. Eu concordei em fazer papel de corno manso, contanto que ela sempre me contasse tudo! nada de mentiras... Ou seria o fim de tudo!
Tentei terminar várias vezes, mas ela diz que me ama demais e jamais vai permitir que eu termine com ela... Eu também a amo muito, e como ela me garantiu que nada mudaria entre a gente, exceto as novas experiencias, eu quis continuar, afinal eu amo e apesar do sentimento de humilhação que me veio de imediato, me senti muito excitado também...
Ela é branquinha, 18 anos, tem 1,58 altura, 54 kgs, muito gostosa de corpo e bem bonita de rosto! Tem pernas grossas e uma bunda que sinceramente, se eu fosse estressado brigaria com todos na rua... É grande e bem durinha!
Tem seios médios, cabem na boca, cabelo preto liso que chega perto da bunda e uma xoxota bem pequena e muito gostosa!
Eu sou viciado nessa mulher! Ela é gostosa e linda de fato!! minha mulher é um tesão...
Fazemos sexo como loucos também, transamos por 1a 2 horas sem descanso, não tem como! eu olho para ela e quero sempre comer...
Contudo, ela perdeu a virgindade comigo (aos quinze anos), fui o único dela e a viciei em sexo... Eu não deixo a desejar, na verdade ela diz que eu a satisfaço e muito bem, de fato ela fica muito assada e eu fico esfolado também. Mas ela deixou claro que sente um calor na xoxota, que se um homem a colocar contra a parede ela acaba cedendo as vontades do cara.
pra deixa-la mais solta, deixei que fizesse um orkut e um msn pra satisfazer suas vontades, e foi o que aconteceu, ela conheceu 2 caras que chamaram a atenção dela...
Para que fique claro: Era apenas para ela ficar no virtual, mas ela acabou indo além, e eu acabei aceitando de novo...
Ela conheceu um bombeiro e um rapaz mulato, ambos ela acabou dando o telefone para eles e enfim marcou de sair com o bombeiro primeiro.
- Amor, marquei com o leo (bombeiro) na terça, mas eu quero que você vá comigo!disse ela...
- Porquê Nina? você quer que eu veja você ficando com ele?? perguntei...
- Ele vem me pegar de carro. Quer me levar na casa dele e to com medo de ser um doido! disse ela...
- Tá, eu vou! você marcou o que? vai dar pra ele assim de cara?? perguntei...
- Não to afim... Só quero conhecer e ficar com ele, sabe? beijar, etcs! disse nina...
- Tá bom amor, eu vou!
também fiquei com medo do cara forçar algo. afinal é um cara que ela conheceu na net e se falaram apenas por msn e telefone. Mas no fundo sabia que ela ia dar pra ele...
Depois de uns dias de tensão, excitação e medo de sabe lá o que, encontramos o cara. Um cara normal de rosto, mais musculoso do que eu, sarado, só que mais baixo...
Ele me cumprimentou, apertou a minha mão (foi muito estranho isso), entrei no carro no banco do carona e minha noiva foi na frente com ele...
Assim que ele teve chance, já tascou um beijo nela e pegou na perna dela. Meu coração foi a mil com aquilo! Fiquei muito nervoso, e eles sequer olhavam pra trás...
já na casa dele, rolou uma conversa que não me interessava nem um pouco, acho que ele percebeu que eu não estava a vontade e falou que eu podia beber cerveja que tinha sobrado de uma festa. Nisso eles estavam num tremendo amasso no sofá, e o que me deixou pasmo é que minha noiva que é tão timida e mal vc pode escutar a voz dela, parecia estar acostumada a agir assim...
- Vem Nina... Vamos para o quarto. Pra ter mais conforto! disse o leo...
- Eu não sei... Nisso ela me olhou para ver a minha reação...
Eu engolindo seco, falei:
- Vai amor, eu fico aqui na sala bebendo um pouco e ouvindo vocês... disse pra ela!
Imediatamente o cara puxou ela para o quarto e lá ficaram de porta semi aberta.
Eu queria e não queria ver, meu estomago estava embrulhado, eu só fingia que estava bebendo pois meu estomago naquele momento iria rejeitar qualquer coisa. Era um frio na espinha enorme! Sinceramente, eu queria sumir de lá...
- Nossa, você é muito gostosa!!! Disse ele falando mais alto, enquanto eu pirava na sala! kk
- Hum... Vem também é gostoso! respondeu ela...
Ele estava de pau pra fora, ela punhetando. Ela já estava de calcinha e sutiã e ele alisando a xoxota dela hora por cima da calcinha hora enfiando os dedos por dentro...
nisso eu confesso que me excitei, e muito! meu pau ficou duro...
De repente quando percebi ela já estava sendo chupada por ele, nisso ela me viu e ficava me olhando fazendo cara de safada e prazer... até beijo a putinha me mandou! rsrs
Ali, meu medo passou completamente, eu queria a ver sendo comida!
Ele mamou os seios dela, depois chupou o pescoço lambeu a barriga dela e mandou ela sentar na beirada da cama... Nisso ele ficou de pé, e ela caiu numa mamada no pau dele que ela sabe fazer muito bem!
chupava o pau dele faminta... realmente, ela adora pica!! nas transas ela sempre me dizia que adorava pica, mas ali estava tendo a minha comprovação...
- Chupa sua puta!! Chupa minha piroca! ficava dizendo o leo...
Ela fazia cara de safada e engolia tudo o que podia... e dizia:
- Tá gostando tá? pirocudo!!
O cara que tinha um pau do tamanho do meu, não vi bem, acho que era do mesmo tamanho. Mas pra minha frustração, era mais grosso que o meu... bem mais grosso! fiquei com ciumes, ela podia passar a sentir prazer só com ele e me deixar...fiquei com um certo medo!
Ela pediu pra sentar no pau dele, e foi sentando aos poucos...
- Puta que pariu!!! dizia ela...
- Hummm....
- Teu noivo não te come não? que buceta apertada é essa!! disse o leo...
Nisso eu fiquei meio puto, mas ela realmente era muito apertada, meto com força nela, mas não adianta no dia seguinte ela tá apertadinha de novo...
- Essa pica que é grossa demais pra minha bucetinha! respondeu ela, provocando ele...
- É? Agora vc vai levar vara de verdade nessa buceta! disse o leo...
Ele a puxou pra perto dele, colando o corpo dela no dele e começou a meter freneticamente... Nisso eu já estava na porta olhando, mas não tive coragem de tocar uma punheta, só fiquei olhando...
Ela gritava demais... Ele enfiava até as bolas nela com toda força até cansar...
Ele diminiu o ritmo e depois mudaram de posição, foram para o papai e mamãe e depois de 4. Eles treparam por 40 minutos até que ele disse que ia gozar tirou a camisinha e esporrou na cara dela!
Ela ficou caida, toda aberta na cama e ele também... Ela me olhou sorrindo com cara de safada e disse:
- Gostou amor?? gostou de ver a sua putinha sendo comida por outro? e riu...
não tinhamos mais tempo, ele levou a gente embora pra casa, no caminho ela veio punhetando e chupando o pau dele...
Na nossa casa eu perguntei:
- E ai amor, gostou?
- Sim, e muito!! Não é igual a gente faz amor, mas eu gostei sim... Adorei sentir outra pica! respondeu ela...
- Que bom amor, eu também gostei, apesar do receio que senti no começo! Era mentira, eu to com medo até agora! rsrs... Não quero perder essa mulher de jeito algum!
- Que ótimo amor! Porque agora eu vou querer sempre uma pica diferente... Quero sempre um macho novo! e riu me beijando...
- Ahhhh!!! e fica tranquilo que NUNCA vou te deixar, te amo demais e vc é o marido perfeito!!! completou ela...
- Amor, agora eu quero o binho! e riu...
- É amor, agora vc quer o negão é? e como eu fico? perguntei brincando...
- Você é prioridade!! primeiro você, depois o resto... Amanhã eu quero você amor!
E nisso nos beijamos muito e fomos dormir um pouco...
É gente, eu acabei me tornando um corno manso mesmo! Essa mulher me dominou de um jeito inacreditável eu que sempre fui cabeça fechada, hoje estou tendo que ser mente aberta e aceitar dividir a minha gostosa, porque sem ela eu não fico, e se tentar proibir, sei que ela vai me trair e prefiro que continue assim, ela me contando ou me levando junto. Pra depois termos uma transa louca repletas de putaria onde ela goza muito e fica satisfeita!
é isso ai, espero que não reparem nos erros de português, mas preciso dormir urgente, acordo as 6 da manhã!
Espero que tenham gostado do desabafo

Marcadores: , , , , , , , , ,





sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Vídeo de gata gostosa sendo encoxada no Onibus

SOU UMA MORENA DE 18 ANOS, ALTA, OLHOS CASTANHOS CLAROS, UM CORPO CONVIDATIVO E GOSTOSO. SOU DO TIPO QUE TEM MUITO INTERESSE POR SEXO...SOU TARADA POR UM BOM HOMEM, MAS REALMENTE BOM!...DE UNS TEMPOS PRA CÁ, EU TENHO ME MASTURBADO MUITO...E PENSADO BASTANTE EM SEXO...E COM ESTE PENSAMENTO EU SAÍ DE CASA DE MANHÃ, EM DIREÇÃO A FACULDADE. PASSOU O ÔNIBUS E PEGUEI...ESTAVA USANDO UM VESTIDO BEM LEVE, ACIMA DO JOELHO, SEM SUTIÃ E COM UMA CALCINHA BEM PEQUENA...O ÔNIBUS ESTAVA FICANDO LOTADO, ME ENCOSTEI PERTO DE UMA CADEIRA E SEGUREI NO ENCOSTO...NÃO DEMOROU MUITO, SENTI UMA PRESSÃO E UM PERFUME MUITO GOSTOSO ATRÁS DE MIM...FIQUEI MEIO ELÉTRICA, DEI UMA OLHADA E VI UM MORENO MUITO BONITO, BEM VESTIDO, BARBEADO E DE CABELOS UM POUCO AINDA MOLHADOS. ELE SORRIU PRA MIM, E EU ME VI RETRIBUINDO...NESTE MOMENTO O ÔNIBUS DEU UMA FREADA BRUSCA, E SENTI QUANDO ELE PÔS A MÃO NA MINHA CINTURA E SEGUROU BEM FORTE, FORÇANDO SEU CORPO CONTRA AO MEU, COMO SE QUISESSE ME IMPEDIR DE CAIR...SÓ QUE ESTE CONTATO ME DEIXOU COM MUITO CALOR E EXCITADA...SENTI UM ARREPIO SUBINDO PELO MEU CORPO...E NÃO CONSEGUI ME DESGRUDAR DO CORPO DELE...ELE FOI SE ENCAIXANDO ATRÁS DE MIM...E EU SENTI O SEU CACETE SE ESFREGANDO NA MINHA BUNDA...ROÇANDO...FORÇANDO...FUI FICANDO LOUCA...MOLHADINHA...E FUI EMPINANDO MINHA BUNDA EM DIREÇÃO AO PAU DELE...ELE IA ESFREGANDO E EU IA FICANDO COM AS PERNAS BAMBAS...FICANDO TRÊMULA...ENTÃO NOTEI QUE O GAROTO TALVEZ DE MINHA IDADE, QUE ESTAVA SENTADO NA MINHA FRENTE OBSERVAVA O QUE ACONTECIA...ELE CHEGOU O BRAÇO PRA MAIS PERTO DE MIM...E EU FIQUEI ROÇANDO MINHA BUCETA NO OMBRO DELE...O QUE ESTAVA ATRÁS DE MIM, LEVANTOU MEU VESTIDO DE LEVE E PÔS O PAU NO MEIO DAS MINHAS PERNAS E FORÇAVA GOSTOSO...ABRI UM POUCO AS PERNAS, E SENTI QUE ESTAVA MOLHADISSIMA...OS BICOS DOS SEIOS ESTAVAM DURINHOS, E ESPERTAVAM MEU VESTIDO PEDINDO PARA SEREM TOCADOS E SACIADOS...MINHA BUCETA ESTAVA SENDO MASSAGEADA PELO GAROTO...SENTI QUANDO O MORENO POR TRÁS FOI ENFIANDO A MÃO EMBAIXO DO MEU VESTIDO...E AFASTOU A MINHA CALCINHA E FICOU COM O DEDO FICOU MEXENDO...ESFREGANDO...ME MASTURBANDO...FUI FICANDO LOUCA...SABIA QUE IA TER UM ORGASMO A QUALQUER MOMENTO...O GAROTO VIROU O ROSTO E FICOU OLHANDO ELE ME MASTURBAR...E COMEÇOU A PASSAR A MÃO NAS MINHAS COXAS...EU FUI FICANDO CADA VEZ MAIS TESUDA...E O CARA ENTÃO METEU O PAU COM MAIS FORÇA NA MINHA BUNDA E EU SÓ REBOLAVA E MEXIA...ELE COMEÇOU A RESPIRAR MAIS FORTE...E A DIZER NO MEU OUVIDO: “QUE BUCETA GOSTOSA... VAI... MEXE MAIS ESTA BUNDA NO MEU PAU... EU SEI QUE VC GOSTA... VAI SUA SAFADA... GOZA NA MINHA MÃO...”.
E EU GOZEI... SENTI ELE GOZANDO TAMBÉM, PORQUE ESCORREU TUDO PELA MINHA PERNA...NOSSA! O CHEIRO DE SEXO SE ESPALHOU PELO ÔNIBUS...O GAROTO ME OLHAVA E ME COMIA...E EU JÁ PENSAVA EM PEGAR ESSE MESMO ÔNIBUS UMA OUTRA VEZ! NUNCA SENTI TANTO TESÃO...NUNCA FIQUEI TÃO EXPOSTA...MAS FOI A MELHOR VIAGEM QUE FIZ!!! CHEGUEI NO MEU PONTO, ONDE FICAVA A MINHA FACULDADE, TODA MOLHADINHA E COM UMA CARA DE TESÃO QUE O PESSOAL DEVE TER NOTADO. HOJE QUANDO ME LEMBRO DESTA CENA, AINDA ME EXCITO E ME MASTURBO...
COMECEI A GOSTAR DE SER ENCAIXADA NESSA EPOCA...ADORO ENTRAR EM UM ÔNIBUS E GOZAR GOSTOSO, NA MÃO OU NO PAU DE UM HOMEM QUALQUER.

Marcadores: , , , , , , , , ,





Amadoras tube vídeos de sexo a três

Depois que revelei para meu marido que já tinha transado com uma mulher na época da faculdade, começamos a fantasiar uma relação a três. Mas não poderia ser uma situação forçada, teria que deixar acontecer. Aproximadamente um ano depois numa noite de sábado, fomos num bar chamado Chaparral, meu marido perguntou se eu aceitaria convidar uma amiga, que estava sozinha na mesa em frente. Achei esquisito, pensei um pouco, olhei para mulher achei bonita e aceitei. Ela veio para nossa mesa, se apresentou dizendo que seu apelido era Juce, começamos conversar, ela tinha a nossa faixa etária, era simpática, gostava de contar piadas. Ficamos mais de uma hora, o papo estava bom, mas a Juce perguntou se poderíamos dar uma carona, topamos e fomos levá-la. Quando estava no meio do caminho, ao passar em frente de um motel, meu marido falou “depois que deixarmos a Juce, podemos vir brincar um pouco” e apontou para o motel. A Juce ouvindo isto, falou que se quiséssemos ela ficaria esperando no carro. Meu marido incentivou e aceitei, entramos no motel, pedimos a melhor suite, Falei para ela que se quisesse poderia tomar banho na piscina, ela topou. Fomos dançar, meu marido começou tirar minha roupa, sem nenhuma pressa, deixou de calcinha e sutiã. Falei no seu ouvido, se acaso quisesse poderia transar com a Juce. Ele foi até a piscina pegou a Juce, deitaram na cama, fui para o sofá e fiquei assistindo os dois pelo espelho do teto. Ele começou fazendo sexo oral, fizeram meia-nove, depois colocou a camisinha e deixou a Juce de quatro e fez penetração por trás. Ela deu um grito, levantei minha cabeça para ver melhor e vi meu marido colocando o pau na bunda dela, foi uma cena muito excitante. Depois disto, ele veio até o sofá, pegou minha mão e falou que eu era o seu grande amor, e que ainda não tinha gozado e queria gozar comigo e não com a Juce. Fomos para cama e a Juce ficou deitada no sofá. Comecei fazendo uma chupeta bem gostosa, mas na hora que vi que ele ia gozar diminui o ritmo e falei para segurar o gozo, porque eu também iria segurar. De vez em quando via a Juce olhando pelo espelho, que delícia! Quase gozei. Logo em seguida, meu marido pediu para a Juce trazer refrigerante, ela trouxe. Meu marido pegou na mão dela, sentou na cama, ela estava do lado esquerdo e eu do lado direito, ele começou a me beijar e puxou a Juce, ela começou a beijar meu marido, nós revezamos os beijos, quando nós duas estávamos com a língua dentro da boca dele, ela sem soltar minha língua, me beijou, foi o primeiro beijo que dei em uma mulher. Meu marido saiu debaixo de nós. A Juce juntou o corpo dela no meu e começou a me apertar e passar a língua no meu corpo todo, chegou na minha vagina e chupou com força, colocando o clitóris na boca, não demorou e gozei. Chegou minha vez de retribuir o prazer, comecei nos pés, fui para coxa, subi para o umbigo, chupei os seios, estavam arrepiados, fui para a boca e dei um beijo profundo, ela disse no meu ouvido que era a sua primeira vez. senti que estava gostando do jeito que estava fazendo, enfiei a língua dentro da vagina e estimulei o clitóris e introduzi o dedo no ânus, ela não resistiu e gozou. Foi delicioso ver que estava dando prazer para outra mulher. Olhei para meu marido, parecia não acreditar que estava realizando nossa maior fantasia erótica. Depois fomos para piscina, transamos os três. Na hora que nós duas chupamos o pênis, foi que ele gozou, espalhou esperma para todos os lados, na minha boca e no rosto da Juce. Ficamos até amanhecer. A última transa foi dentro da hidromassagem, meu marido ficou deitado com a água quase na cintura, sentei no pau dele e a Juce sentou com a vagina na sua boca. Eu e a Juce ficamos frente a frente e meu marido debaixo, trocamos carícias, beijos e chupamos os seios uma da outra. Terminamos a noite os três abraçados. Foi maravilhoso. No dia seguinte, já em casa, debaixo do lençol, meu marido contou toda a verdade sobre a Juce. Eles já tinham transado alguns anos atrás, e tinha reencontrado na fila do Banco do Brasil, eles saíram. E meu marido perguntou se ela topava sair em três. Ela disse que nunca tinha feito isto, mas que aceitava para ver como que era. “PORTANTO FOI TUDO COMBINADO ENTRE MEU MARIDO E A JUCE E EU NÃO SABIA”. Depois de uma semana perguntei se ele toparia sair os três novamente, ele falou que era perigoso, entendi o que ele disse, mas insisti e saímos. Fizemos tudo diferente, fomos ao teatro, dançamos e terminamos a noite num outro motel maravilhoso. Ficamos até o dia seguinte, almoçamos juntos e nunca mais vimos a Juce. (mulher maravilhosa). Com certeza teve mais detalhes, mais quem quiser saber mande um e-mail

Marcadores: , , , , ,





Meu namorado me deu aula de como ser uma putinha na cama

Eu Dri e o Má sempre tivemos um namoro aberto e liberal, praticamos sexo oral, anal, fazíamos de tudo um pouco, mas só eu e ele entre quatro paredes (ele já tinha tido muitas outras aventuras, eu não). Em certo dia ele começou a me falar algumas fantasias que ele gostaria de realizar comigo, e aquilo me deixou louca, cadê vez mais excitada, fazendo com que eu gozasse só de ouvir. Um dia ele me confessou que queria fazer sexo na rua, para que todos vissem a minha boceta e o meu cuzinho e visse o quanto eu era fogosa, achei que ficaria só na fantasia. Mas não demorou muito e ele me convidou para sair, só que eu teria que sair vestida como ele queria;
- Vc tem que ir de mini saia, sem calcinha, de baton e esmalte vermelho.
Imagine eu que nunca tinha se quer imaginado a pintar a minha unha de vermelho, imagina sair sem calcinha. Achei meio louco, mas confesso que fiquei toda excitada. Fomos a um lugar muito legal, tomamos um vinho, namoramos bastante, ele falou um monte de sacanagem no meu ouvido. Saímos de lá e fomos ver as putas trabalhando, e ele confessou que o sonho dele era me transformar numa puta. Tomamos mais uma batida e fomos embora, no caminho ele ia me falando muitas coisas maliciosas, e enfiava a mão entre as minhas pernas, acariciando meu clitóris, quando dei por conta eu também estava acariciando aquele pau maravilhoso e enorme. Achei que iríamos para casa, quando ele parou em uma rua meio deserta, e foi logo me atacando, nos beijamos muito, estávamos enlouquecidos de tanta excitação, trocamos muitas caricias, ele abriu o zíper e colocou para fora o seu pau, não agüentei, comecei a fazer uma oral nele, daquelas que só se vê um filme, bem devagar, passando a língua na cabeça, no saco, o colocava todinho na boca e ficava mexendo com a língua, enfim uma coisa bem delicada, sem pressa nenhuma, quando percebi estava toda molhada de excitação, de vez em quando passava algumas pessoas a pé ou de carro, disfarçávamos, mas não paramos, ele me colocou de um jeito no banco do carro, e como eu estava sem calcinha, ele levantou a minha saia e começou a me chupar com tanto gosto, chupava mesmo, enfiava a língua lá dentro, tipo beijo de língua. Eu urrava de excitação, ele mordia meu clitóris, prendia o com os dentes e passava a língua, sugava-os para dentro da sua boca, dava lambidas que vinham do meu cuzinho até o umbigo, eu gozei 2 vezes sendo que a primeira foi enorme de tanto excitação que eu estava, e o pau dele + duro do que nunca, uma rocha, ele abriu a porta do motorista saiu para fora e falou fica de quatro no banco, não pensei duas vezes. Em seguida debrucei no banco e com a bunda virada para ele, que não resistiu e meteu a língua em meu cuzinho, e eu fiquei fazendo movimentos circulares com sua língua. Deu uma lambida, que foi do meu cuzinho até a nuca e para dar essa lambida, teve que se levantar e aproveitando o ensejo seu pau com mira telescópica bateu direto em minha boceta, só que ele não quis enfiar direto, ele falava:
- É assim que se come uma puta, bem devagar
Colocou a cabeça e segurou com sua mão, pois eu morrendo de tanto tesão forçava a bunda para trás para entrar tudo, ele pediu calma e foi colocando bem de leve, e foi enfiando lentamente fazendo movimentos com seu quadril, para direita e para esquerda e eu também o acompanhava rebolando. Quando entrou até o fim, ele abraçou minha cintura e apertou para entrar tudo até as bolas Foi o melhor orgasmo da minha vida, e com o pau dele todinho dentro de mim, começou a me comer de verdade, pegava em minha cintura e puxava em direção a seu pau, acariciava meus seios, puxava meus cabelos como uma rédea, me chamava:
- Potranca, cadela , puta...
Eu fiquei louca, e gozei novamente. Tirou o pau latejando de minha boceta todo lubrificado pelos meus orgasmos e colocou seu pau dentro do meu cuzinho, e foi empurrando para dentro bem de leve , ai sim eu fiquei louca, ele sabe que eu adoro dar o cu, e com os dedos dentro da minha boceta tocando uma sirica. Conseguiu enfiar até o fundo. Só que lentamente, eu rebolava forte e estava gostando, quando chegou a hora de ele gozar, abraçou-me pela cintura, apertou-me com tanta força e gozou, senti aquela porra quente dentro de mim, foi maravilhoso, ficou lá dentro ainda um tempo.
Depois de nos ajeitarmos, ele me disse:
- Esta foi sua 1° aula de puta, vou te transformar em uma puta maravilhosa...
E conseguiu...
Não paramos de fazer loucuras, mas isso eu conto depois, quem gostou desse relato nos escreva para trocarmos experiências ou quem sabe algo mais.

Marcadores: , , , , , ,





domingo, 19 de setembro de 2010

Minha ninfeta gostosa perdendo a virgindade fazendo sexo anal

A história verídica que vou contar agora aconteceu há muito pouco tempo, cerca de 2 meses. Moro sozinho num apartamento, e o apartamento do lado está sempre sendo alugado por pessoas diferentes. Os moradores atuais são um casal com três filhos. Ou melhor duas filhas e um filho. Ele com uns 17 anos, elas, ficaria sabendo mais tarde, com 18 e 16 anos. Quando os pais saíam, ouviam música no máximo. Isso me incomodava muito. Um dia, pacientemente, bati na porta e pedi para abaixarem um pouco o som, pois já era tarde e eu queria dormir. As duas me atenderam e foram legais. Conversamos rápido e fiquei sabendo que uma, a de 16 era Patrícia, e a de 18 era Renata. Ficou nisso. Uma noite eu estava assistindo televisão na sala e ouvindo uma conversa barulhento no corredor. Eu estava só de bermuda, descalço e sem camisa. Abri a porta, e lá estavam elas, não sei porquê, conversando animadamente na escada. As duas estavam descalças, com shortinhos curtos e bem a vontade com camisetas leves. Entrei no papo e perguntei o que faziam ali. Nem deram bola, e Renata, a mais velha, falou rapidamente, olhando para mim. - Que tesão ! Começaram a rir. Confesso que fiquei excitado. Elas eram parecidas, ambas com cerca de 1,65m, moreninhas de sol, cabelos curtos. Renata tinha coxas e bunda mais gostosas. Patrícia era mais magrinha, porém com seios com o dobro do tamanho da irmã. Patrícia, apesar de mais nova, tinha uma carinha de sem-vergonha. Renata falava menos, mas era direta no olhar. Disseram que nem elas sabiam o porquê de estar ali. Perguntei maliciosamente: - Fazendo ponto no corredor ? Olharam uma para a outra e riram. Disseram que estavam sozinhas. Sentei na escada, colado à Renata. Ela cruzou as pernas para meu o lado, tocando seus pés no meu. Ela disse: - Pat, vai lá pra dentro. Vou ficar aqui um pouco. Depois de Renata nos deixar a sós, eu disse: - Quer entrar um pouquinho ? - Para fazer o quê ? – Falava com carinha de safada e inocente. - Tem um sofá macio para nós dois. Bem melhor que esta escada dura e gelada. - Dura eu gosto, mas gelada... Eu estava ficando excitado. - Vamos, lá dentro encontrará algo bem duro. Ela apenas riu maliciosamente. Avisou sua irmã: - Estou aqui no apartamento do vizinho. Não estou para ninguém, tá bom ? Depois de dizer que não queria ser interrompida, entramos, tranquei a porta e sentamos no sofá. Recomecei nossa conversa, que seguiu o seguinte rumo: - Que pernas gostosas você tem... Peguei um de seus pés e comecei a massageá-lo. Ela disse: - Que gostoso ! Você é magro, mas é bem saradinho. Adorei você ! Fui direto ao que interessava: - Você é um tesãozinho ! Aproximei-me dela e nos beijamos, com revezamentos de chupadas de língua. Deitamos no sofá que era grande e nos enrolamos todos, trançando nossos braços e pernas, com beijos muito intensos. Deitado, comecei a passar a mão na sua bunda. O tecido do “shortinho” era fino, e eu sentia sua calcinha. Eu apertava o dedo na direção do seu cuzinho. Tirei a sua camiseta e comecei a chupar seus peitos. Ela separou-se um pouco e tirou toda a roupa, ficando peladinha por completo. Ela tinha a buceta quase totalmente raspada. Tirei minha bermuda e cueca. Ela então viu meu cacete duro e empinado, com a cabecinha roxinha. De novo nos abraçamos, agarramos, enrolamos. Eu enfiava meu dedo da sua buceta molhada, e ela sentia meu pau duro na sua mão. Eu chupava suas tetas e fui descendo até chegar na buceta, que comecei a chupar. O sabor era ótimo. E como a buceta era bonita. Eu a fazia delirar lambendo seu clitóris. Logo depois pedi que chupasse meu pau. Sentei e ela pegou firme meu pau com uma mão e começou a chupá-lo firmemente. Isso deve ter deixado ela louca, pois mal tinha começado a chupar, deitou-se de novo, abrindo a perna e me puxando para cima dela. Eu não tinha camisinha aquela hora e lhe disse isso. Ela não se deu por vencida e disse: - Vem logo, mete agora mesmo. Eu tomo pílula. Ela podia estar mentindo, mas eu não estava agüentando mais mesmo. Deitei em cima dela e enfiei meu pau na sua buceta. Ela enrolou suas pernas por trás na minha bunda, fazendo a abertura para penetração aumentar. Eu penetrava fundo, enfiando meu pau grosso com firmeza, rebolando para arreganhar bem aquela xoxota gostosa. Ela insistia em beijar minha boca enquanto eu metia. Ela era estonteatemente gostosa. Eu estava quase gozando. Tirei meu pau de dentro dela, e me masturbando com a mão, gozei em cima dos mínimos pelinhos da sua xoxota. Foi maravilhosa aquela metida. Dois dias depois, logo depois de minha namorada sair de casa, transamos de novo, só que agora eu a comi por trás, na minha cama. Ela ficou de quatro e eu meti gostoso, gozando dentro dela, com camisinha. Ela me disse que sua irmã estava querendo me dar também, mas disse que só com camisinha. Mas eu nunca a comi, pois a achava muito novinha. Eu e Renata demos um tempo, e só a comi de novo a 2 dias atrás, quando decidi escrever este texto para vocês. Trepamos no banquinho do banheiro, ela sentada em cima de mim, cavalgando gostoso. De repente poderemos transar de novo, pois ela sempre está perto de mim. Vou tentar comer seu cuzinho da próxima vez. Será que ela topará ? Meu apelido é Cacete18. Aguardo Emails com comentários e propostas indecentes. Todas as minhas histórias são reais. Quero mais uma com você, para quem sabe colocar aqui no futuro. Detalhe, continuo com namorada, ela é liberal, mas ela não participa e nem vai saber. Sou de Campinas/SP, tendo 30 anos, pele clara, sempre queimado de sol, 1,75m, 18cm. de pau grosso, cabelos curtos, castanhos como os olhos, magro atlético. Aguardo vocês !

Marcadores: , , , , , ,





Eu gata ninfeta e gostosa perdendo a virgindade

Sempre decidi quem, quando e como algumas coisas iram acontecer comigo, e foi assim para perder minha virgindade. Eu já trabalhava e fazia faculdade de enfermagem quando em um dia sai para aula com fome e passei num restaurante que sempre freqüentei, pois fica próximo da faculdade. Assim que entrei avistei um homem sensual atravessando e sentando em uma mesa sozinho. Nunca tinha percebido ele por lá, mas segundo a a garçonete ele freqüentava o lugar assim como eu, porem em horários diferentes. Assim como eu o flertava ele também me fazia o mesmo, e mandou o telefone para mim em um guardanapo pela garçonete, saindo logo em seguida.
Levantei a ficha dele no mesmo dia, um solteiro convicto, arquiteto, mulherengo, mas pacote perfeito para uma mulher levar para cama. Sai do restaurante, fui para aula e volta e meia eu olhava para aquele número. Decidi que esperaria o dia seguinte para tomar uma decisão quanto ao gostosão.
Naquela terça mais uma vez fui almoçar lá e para minha decepção não o encontrei; ele tinha passado mais cedo. Porém tive uma surpresa, uma orquídea linda com um cartão dizendo que aguardava minha ligação ansiosamente e tinha também o endereço do escritório dele. Para um cafajeste ele passou se apresentar como um conquistador, daí disse "é esse homem para quem eu quero dar meu cabaço". Afinal, se ele era um pegador e a mulherada caia em cima tinha que pelo menos fazer um sexo gostoso.
Resolvi ligar, papeamos um pouco e ele me convidou para um vinho o que eu aceitei. Saímos tomamos o vinho e jantamos no mesmo dia, percebi que aquele ambiente era muito familiar a ele, pois as pessoas o complementavam e as mulheres que me encontravam tinham olhar venenoso o que me fez sentir mais excitação por aquele homem.
Na tarde do dia seguinte matei aula na faculdade e fui até o escritório, onde fui muito bem tratada, a secretária, uma senhora de uns 50 anos, me conduziu a sala dele, que estava montado com muito bom gosto, tudo lá dentro parecia ter traço e contornos. Ficamos a sós e ele me complementou com um selinho que transformei em um beijo ardente que deixou a respiração dele ofegante, a ponto dele dizer - Menina você não tem juízo não? Pensa que sou de ferro? - Eu sorri e respondi - A intenção é justamente contraria, é para você perder o juízo e se derreter - Daí sentei na banqueta próxima da mesa de desenho - acho que é assim que se chama. E como estava de vestido, subiu um pouco mostrando minhas pernas, fazendo ele se aproximar e me beijar alucinado, passando as mãos por meus contornos, ficando de corpo bem colado no meu, quando senti que o mastro dele tava ereto, duro, doido por uma buceta.
Afastei-o um pouco de mim o que fez com que ele reagisse maravilhosamente, passou a mão pelo cabelo e disse - Tenho uma urgência - eu sorri vendo aquele desespero dele e questionei - Urgência? Pensei que está palavra só era usada na minha área - e ele continuou - Menina, não brinca você sabe de qual urgência estou falando - Eu me aproximei dele alisando o mastro dele por cima da calça e disse olhando nos olhos dele – Essa? - Ele me agarrou com um beijo descontrolado, que eu correspondi baixando o zíper da calça dele e puxando aquele pedaço de carne macia, pulsante, com um líquido incolor escorrendo. Olhei para ele com cara safada e perguntei - Posso? - Com um pé adiante ele esticou-se e travou a porta com chaves, segurou minha cabeça me forçando ajoelhar, empurrou aquela tora na minha boca. Lambi, suguei a cabecinha que mal cabia na minha boca, passei a língua por toda extensão e com as mãos eu puxava a calça com tudo dele, fazendo o ficar pelado em minha frente. Não se dando por vencido ainda protestava que estava cometendo a maior loucura da sua profissão.
Empurrei ele para uma poltrona e distante fui tirando lentamente meu vestido, sutiã de renda e calcinha. Na banqueta abri as pernas e mostrei o quanto tava molhadinha, masturbei-me tendo ele como platéia e quando gozava ele levantou e caiu de boca na minha buceta. Ergui um pouco o corpo para ele não alcançar meu orifício virgem, tive medo dele recusar a continuar. A língua dele só alcançou meu clitóris me fazendo apelar pela penetração, que foi atendida. Ele arrancou uma camisinha da gaveta vestiu e abrindo minhas pernas e senti a pincelada na entradinha, abracei ele com as pernas e ele penetrou com uma certa dificuldade, me arrancando um gemido alto de dor e senti um pouco de líquido escorrendo, que imaginei ser sangue. Logo aquilo passou a ser um prazer e já tinha condição de sentir as entocadas dele sem dor. Mudamos de posição e de quatro no sofá ele enlouqueceu com a visão de minha bunda, e metia na minha buceta sem dó, até que senti um formigamento no ventre e logo umas contrações nas paredes da vagina, me fazendo perder o controle. Gritei de prazer e gozamos um após o outro, nos abandonando no sofá, sorrindo de felicidade.
Ficamos algum tempo mais abraçados, ele dizendo que eu era louca por ta ali fazendo sexo daquela maneira. Eu respondi que quem era doido era ele, pois meu trabalho ficava bem longe de lá. Que ele conhecia pouco sobre mim e foi levado por um jogo de sedução.
Enquanto eu vestia minha roupa surgiu uma pergunta que eu preferia que não tivesse vindo a tona - Te machuquei durante o sexo? Você é tão apertadinha, que a camisinha está suja de um pouco de sangueou você tá mestruada - Olhei para ele seria e respondi - Realmente seu menino não é dos menores, deve ter rompido algum vasinho, afinal é uma região muito vascularizada, mas não senti dor não apenas prazer...
- Você é muito gostosa, uma mulher que me tira o juizo... - E riu. Se ele sabe que tinha acabado de tirar meu cabaço... Morri pois na vida de solteiro dele não estava incluso está fantasia!
Até hoje ele não sabe a verdade, nem me dei o trabalho de contar. Ele é o tipo de gostoso para usar apenas em serviços extras.
Recebi rosas na faculdade na manhã seguinte, mas não saimos mais. A intensão era apenas usar.

Hoje ele é casado, evangelico convicto e eu me tornei amiga do casal sem envolver sexo no relacionamento.

Marcadores: , , ,





A empregada gostosa da minha vizinha

Olá bom dia pessoal, sou iniciante na casa, meu nome é Jorge, tenho 25 anos e vou contar uma história real a vcs, já faz 7 anos q aconteceu, um certo dia eu estava na porta de casa com ums amigos bebendo por volta das 22:30 numa noite de sábado quando vi a empregada da vizinha, saindo só de baby dol ela estava dormindo numa casinha ao lado da casa em q trabalhava, ah Luana é o nome dela tinha 23 anos uma morena de 1,70 m de altura corpão pernas grossas bunda grande e seios médios, ela sentou se na porta e ficamos olhando pra ela e tirando brincadeirinhas através de gestos.
Passado certo tempo eu já tomado peguei a bike de um dos meus amigos e fui até ela e perguntei se poderia me apresentar ela disse claro q sim então nos apresentamos logo sentei e conversamos eu então fui deixar a bike de meu amigo e voltei ela me convidou pra entrar pois já era tarde e ela estava com frio dava pra perceber pelos bicos de seus seios puxamos algumas conversar e começamos a nos beijar, qd comecei dar ums amaços nela daí ela me interrompeu dizendo q nunca ia pra cama na primeira vez , eu fiquei indignado mas não fui embora, de repente ela levantou e disse vou dormir demorou ums 3 minutos ela apareceu dizendo tu não vem ? eu prontamente atendi, ao chegar no quanrto sentir aquele cheiro maravilhoso.
deitamos e começamos a nos beijar e dar amassos, nem questionei dela dizendo q não ia pra cama da primeira vez não podeira perder aquela oportunidade, ela então foi beijando meu corpo e descendo pela barriga até chegar no meu cacete q faltava estourar o shorte, ela tirou td e começou uma mama muito deliciosa ia até meu saco nossa como era gostoso quase gozei, ela se despiu nossa q corpo lindo ela veio pra cima de mim e encachou meu pau em sua xana q delicia ela dizia vai gostoso mete td come minha bucetinha vai, e rebolava, em poucos minutos ela estava gozando, disse q fazia algums meses q não trepava mas não descanço e botei ela de 4 q trazeiro lindo ela tinha, fodia msm com vontade e ela gritava e gemia e pedia mais, até q gozou novamente, deitei de lado e comecei a meter novamente, já fazia mais ou menos 1 hora ela disse q queria cavalgar novamente eu protamente deixei, ela cavalgou por mais ums 10 minutos até q gozei dentro dela, ficamos deitados até amanhecer acordei, demos uma rapidinha e eu fui pra casa.
nos encontramos mais algumas vezes, um certo dia ela voltou pra sua cidade natal e nunca mais a vi.

Marcadores: , , , , ,





sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Minha sobrinha gostosa e virgem dando para coroa no Sítio

Tudo começou quando eu tinha apenas 9 anos e meu tio 22 (um tio novo). Meu tio, o Guilherme sempre foi muito ligado á minha mãe (sua irmã). Eu o admirava, pensava que era alguém livre, dono de si e podia sair, ir pra onde quisesse. Ele sempre me pegava no colo e me fazia carinho passando sua mão pelo meu corpo inteiro, nas minhas costas, coxa, bunda e até nos meus então quase nulos seios. Eu achava estranho, mas deixava, eu gostava de sentir sua mão em mim. Muitas vezes ele abria suas pernas e me fazia sentar no meio, eu sentia o pau ele muito duro comprimindo a minha bunda. Ele apenas olhava, sorria e gemia fazendo cara de tesão... Confesso que eu adorava esses momentos.
Até que ele se mudou para outro estado por 6 anos. Durante todo esse tempo eu me lembrava de seu sorriso, de suas carícias, da sua vara dura se esfregando na minha bunda, mas como cresci tive a consciência de o que ele fazia comigo era abuso sexual, por causa disso, muitas vezes sentia raiva dele por ter se aproveitado de mim. Mas mesmo assim eu ansiava por seu regresso.
Foi na Páscoa que ele voltou para São Paulo. Íamos nos rever no almoço com a família e eu estava ansiosa, sem saber o que pensar. Não sabia o que vestir, então, revolvi como uma boa adolescente ir de calça jeans lycra e de blusinha.
Quando cheguei na casa da minha avó (onde seria o almoço), ele já estava lá: muito mais lindo mais homem e muito mais gostoso do que eu poderia imaginar. Olhei para ele admirado com o que via. Ele por sua vez me abraçou bem forte e me disse: “você não é mais a menininha que eu esperava encontrar aqui”. Ele estava com 28 e eu 15 anos. Eu tinha um corpo muito bonito, seios médios durinhos e bem pontudos, cinturinha e uma bunda que muitos adoraram passar a mão (já que estava na fase de namoros). Almoçamos e voltei para casa com meus pais.
No dia seguinte meu titio passou em casa e disse para minha mãe que me levaria para o cinema e depois iríamos á uma danceteria, como se tratava de seu irmão ele ficou tranqüila e me deixou ir (iria passar a noite fora).
Durante o filme, meu titio me abraçou e disse no meu ouvido: “só porque cresceu não quer mais ficar abraçada comigo?”, e eu disse: “não Gui, larga de ser bobo”, ele: “ah bom... porque eu sempre adorei te abraçar”. Nessa hora surgiu em mim um tesão enorme por aquele homem e eu me abracei bem forte a ele, ele começou a passar a mão nos meus cabelos, costas, mãos, rosto e de repente virou meu rosto e me beijou. Eu quase morri, me sentia toda molhada e ele sem se fazer de rogado enfiou as mãos dentro da minha blusinha e como um animal no cio, afastou meu sutiã e apertou bem forte os meus seios. Estremeci e ele gemeu: “ai... gostosa”. Quase gozei ao ouvir isso e me apertava o biquinho com os dedos, me falava que queria mamar neles, beijar, chupar, morder. Eu passava a mão por cima da calça dele e sentia o tamanho da vara, ele me pedia como louco pega... Pega... Pega na pica do titio. Eu dizia: “não pode titio”. Até que ele me perguntou se eu era virgem, como disse que não, ele me pediu: “me deixe ser o seu primeiro, deixa eu te penetrar, lamber a sua xoxota gostosinha...” eu estava tarada de tesão mas disse que não podíamos porque ele era meu tio. Ele me disse que isso não tinha nada a ver, que ninguém saberia e que ele me faria feliz. Aceitei e fomos á um motel. No quarto ele me jogou na cama e disse que me faria gritar de tesão. Começou a me beijar e apertar meus seios com as duas mãos tirou minha blusa, meu sutiã e mordia meus seios, chupava, lambia e eu gemia muito de tesão. Foi me lambendo na barriga enquanto abria minha calça, tirou-a e apertou por cima da calcinha a minha buceta, eu urrei de tesão. Ele me disse com cara de safado: “antes quero que você mame gostoso em mim...” tirou a calça, ficou em pé no chão e disse: “chupa”... Eu nunca tinha chupado uma vez antes, mas estava com tanta tara que enfiei de uma vez só na minha boca toda aquela rola que ra muito grossa. Comecei a lamber, a mamar segurando bem forte na base para dar mais pressão... Ele urrava e empurrava minha cabeça em direção ao seu mastro enquanto dizia “isso... vai... vai que o titio quer gozar na sua boquinha”, nisso eu comecei a sugar suas bolas que quase não cabiam em minha boca e via crescendo cada vez mais sua rola, o enfiei de novo na minha boca e ele metia como se estivesse comendo uma buceta até gozar. Quando terminou disse: “agora minha putinha deita ai que é a sua vez...” me deitei, ele tirou a minha calcinha e pediu para que eu abrisse bem as minhas pernas. Fiz isso e ele abriu bem os meus lábios vaginais com os dedos e deu uma lambida. Eu tremi de tesão. Ele me lambeu de novo e gemi muito alto, ele parou e perguntou: “alguém já tinha lambido sua xoxota antes?” Como disse que não, ele me respondeu: “bem que eu notei que o gosto na sua xana é bem melhor...” começou a por a língua dentro da minha buceta e tirou, repetiu várias vezes até que começou a sugar meu clitóris, nessa hora comecei a gritar de tesão e tive o primeiro orgasmo da minha vida (e com meu titio). Beijou-me depois de ter chupado tomado todo meu melzinho, se deitou em cima de mim e me disse: “agora você vai conhecer uma pica de verdade, quer?... então peça...” e eu como louca falava: “vem titio... vem comer a buceta da sua sobrinha...”. Ele já estava com a pica dura novamente e começou a colocar a cabecinha dentro da minha grutinha, eu senti um tesão enorme, ele tirou e colocou mais um pouco, foi repetindo até que entrou tudo. Eu senti uma dor muito grande, como se estivesse sendo rasgada, mas ao mesmo tempo eu queria mais. Ele me dizia: “ aí como você é gostosa... nossa que apertadinho gostoso... sente meu pau te arrombando... vou gozar aqui...” ele começou a bombar cada vez mais forte, até que gozei de novo. Ele levantou minhas pernas e começou a socar com força, não demorou muito e gozou de novo.
Até hoje, depois de sete anos, ainda quando dá transamos.
Se gostar do meu relato, quer dar opinião me envie um e-mail

Marcadores: , , , , , , , , , , ,





Minha cunhada gostosa virgem fudendo

Olá! Moro em Vitória, Espírito Santo e não existe nada que eu goste mais do sexo, por isso compartilho aqui o que me aconteceu há bem pouco tempo.
Havia acabado de tomar banho e estava em meu quarto prestes a vestir minha roupa quando de repente a porta se abre e minha cunhadinha entra também com o propósito de trocar de roupa, pois também havia terminado o banho e estava apenas enrolada numa toalha. Quando me vê ela se assusta (também pudera, meu pau ficou imenso na hora pois ela é uma delícia, tem 17 aninhos e o corpinho todo perfeitinho e bem torneado, com seios pequenos e durinhos e bundinha redondinha) e tenta sair do quarto, eu entro em sua frente e digo que espere pois já havia visto tudo mesmo.
Vesti cueca, me aproximei dela e disse que já que ela havia me visto sem roupa era minha vez de vê-la e fui puxando sua toalha. Não acreditava que ela fosse deixar, mas acho que devido ao choque ela não reagiu me deixando tirar sua toalha. Olhei para seu corpo lindíssimo e imediatamente passei minha mão sobre o capô de sua bucetinha que possuía poucos cabelos, abaixei-me rapidamente perto dela e deslizei minha língua sobre aquela xoxotinha deliciosa, o que a fez suspirar, continuei lambendo e ela foi se esticando e abrindo as pernas.
Fui lambendo e empurrando-a para a cama devagar, ela deitou suas costas na cama e permaneceu com os pés no chão e eu continuei chupando. Fui acariciando sua bunda e a fudendo com minha língua, ela abraçou-me o pescoço com as pernas e começou a fezer um movimento de vai-e-vem, enquanto isso tirei minha cueca pois meu pau queria explodir... levantei-me e coloquei o pau em sua boca, ela nunca havia visto um pênis antes mas abocanhou a cabeça do meu pau e ficou chupando. Segurei sua cabeça e comecei a fuder sua boca com meu pau, enfiando e tirando e fui deitando-me sobre ela e fazendo um delicioso 69.
Depois de fazê-la gozar algumas vezes em minha boca, encaixei-me entre suas pernas e deslizei diversas vezes a cabeça de meu pau na entrada de sua grutinha que babava por ele. Tentei penetrá-la, a cabeça entrava um pouco mas sua virgindade não permitia a penetração.
Lubrifiquei meu cacete e tentei novamente, fui empurrando devagar enquanto ela gemia, segundo ela somente de prazer, até que meu pau entra inteirinho nela (que delícia de buceta apertadinha).
Comecei um vai-e-vem bem devagar e aos poucos ia aumentando a velocidade.
Comecei a meter forte naquela buceta deliciosa e chupar seus peitinhos durinhos e feitos sob medida para minha boca. Mordia os biquinhos de leve e alternava entre bombadas fortes e rápidas, e bombadas lentas e fracas, fui fudendo gostoso até que ela gozasse duas vezes quando tirei meu pau ainda estourando de duro e enfiei em sua boca, fudendo aquela boquinha saborosa. Quando estava prestes a gozar segurei sua cabecinha, dei bombadas mais fortes e explodi em gozo dentro daquela boquinha pequena, segurando sua cabeça mandei que ela engolisse tudo e foi o que ela fez, além de continuar chupando e lambendo meu pau até que ele ficasse bem limpinho.
Depois disso precisamos voltar para o banho, onde a chupei todinha novamente e a comi em pé no banheiro... foi uma delícia!!!
Se você gosta de sexo, assim como eu e está a fim de gozar gostoso me escreva.

Marcadores: , , , , , , , , , , , ,





Minha prima ninfeta gostosa de Recife pelada


Eu Moro numa cidade no interior do Rio Grande do Norte, muito pequena e por isso vou omitir o nome da cidade e o meu será Max (fictício). Esta cidade é muito famosa por uma cachoeira que fica dentro de uma mata muito fechada e de difícil acesso, todavia, fica há menos de 1 km de minha casa. Desde pequeno eu e eus irmãos tomamos banho nesta cachoeira. Bom mais vamos a história. Tenho 23 anos, cabelos e olhos castanhos e um corpo normal: nem magro nem gordo. No final do ano passado uma prima nossa de Recife-PE veio passar as férias de final de ano conosco. Ela acabara de completar 15 anos. A última vez que tinha visto ela ainda andava de calcinha. Quando ela chegou lá em casa, eu e meus irmãos ficamos embasbacados com a beleza de nossa prima. Simplesmente estonteante. Tudo na medida. Uma morena para ninguém botar defeito. Uma das bundas mais bonitas que já vi. Mas voltando a história, lembro-me bem que ela chegou numa quinta-feira à tardinha. E, à noite, minha mãe decidiu que ela dormiria no meu quarto. Nem deu tempo de me animar, quando vi minha mãe colocava minha rede na sala, dizendo que era lá que dormiria pelos próximos dois meses. Fiquei muito triste: primeiro por não dormir ao lado de minha priminha e segundo por ter meu quarto invadido por aquela intrusa. Bom, mais o tempo foi passando, ela já tinha visitado toda minha família e no segundo final de semana à sua chegada, notando que ela não estava curtindo tanto, pois realmente na cidade não havia muito o que fazer resolvi arriscar e a chamei para tomar banho na cachoeira. Notei que ela ficou eufórica e de pronto disse que topava. Fiquei de pau duro na hora, só de pensar em vê-la somente de biquíni. Deixei para chamá-la justamente quando nenhum irmão estivesse em casa (todos tinham ido para um jogo de futebol na cidade vizinha e só retornariam à noite). Ela se arrumou em menos de dez minutos e fomos para a bendita cachoeira. Talvez, por causa do campeonato de futebol, a cachoeira estava quase deserta. Lá só tinha dois casais que sequer notaram nossa chegada. Estavam bem \"ocupados\". Fomos para um local mais reservado, bem próximo à queda d´água. Ela disse está maravilhada com tanta beleza. Realmente a água é cristalina. Dá para ver os peixinhos próximos às pedras. É lindo. Ela disse que queria se banhar e já foi tirando o minúsculo shortinho. Quando vi seu biquini fio dental, meu pau fico duro como uma rocha. Tentei disfarçar, mais ela notou, porém se fez de desentendida e entrou na água. Dei um tempinho e também entrei. Ela percebeu o quanto fiquei constrangido e, para quebrar o gelo, começou a fazer perguntas sobre o local. Uns quinze minutos depois, o clima já tinha mudado. Brincávamos de jogar água um no outro, foi quando chamei para conhecer a caverna que ficava por trás da queda d´água. Ela topou. O que não imaginávamos é que tinha um casal transando dentro da caverna, que era muito pequena. Por causa do barulho da água, eles nem perceberam nossa presença. Saímos rapidamente dali. Notei que minha prima ficou muito excitada. E eu, que estava de pau duro, sem querer esbarrei nela dentro d´água. Ela fez que nada tinha acontecido. Ela então pediu para sair dali e eu sugeri irmos para uma outra queda d´água mais adiante. Lá chegando, observamos que o local estava completamente deserto. E disse a ela que, quando tinha até 13 anos costumava tomar banho nu naquele local. Os olhos dela brilharam e ela perguntou porque não tomava banho nu hoje. Disse que tinha vergonha dela e só faria se ela também se despisse. Ela desconversou e disse que tiraria apenas a parte de cima do biquíni. Concordei e fui logo tirando meu calção. Ela, quando viu meu cacete duro, sem querer deixou sair um oh! E logo lhe cobrei que ela tirasse a parte de cima do biquíni. Ela de pronto atendeu, ficando só com a minúscula tanga. Ela não parava de olhar para meu pau e eu também olhava insistentemente para seus lindos seios. Ela foi nadar e propositadamente, quando mergulhou deixou a sua linda bundinha à amostra. Aproximei-me dela e, por debaixo d´água, “sem querer” toquei com meu pau em suas coxas e não fiz menção de tirar. Ela fechou seus olhinhos e deu um longo suspiro. Estava quase ficando louco e resolvi arriscar, perguntando-lhe à queima roupa:
- você ainda é virgem?
Ela, quase engasgando respondeu:
- só transei umas quatro vezes.
Fiquei impressionado com a resposta. Tão sincera. Resolvi arriscar tudo e perguntei se ela não queria tocar no meu pau. Ela fez uma carinha mais sacana do mundo e apenas balançou a cabeça afirmativamente. Aproximei-me dela, ela fechou os olhos e segurou meu pau carinhosamente... Aproximei-me dela e dei o melhor beijo na boca da minha vida. Quase não desgrudamos mais. Estávamos muito excitados e, sem perder tempo baixei lentamente a calcinha do seu biquíni. Tive a visão mais linda do mundo: uma bucetinha de poucos pelos e de lábios vermelhos e carnudos. Simplesmente maravilhosa. Caminhamos para a margem do rio e cai de boca naquela bucetinha. Ela se contorcia e dava pequenos espasmos. Depois de mais de 10 minutos lambendo aquele corpo divino, coloquei meu pau na sua bucetinha e fui empurrando lentamente. Todavia, ela era muito mais apertada do que eu imaginava. Foi aí que tive uma idéia: ao nosso redor tinha muita babosa: planta cuja folha solta uma baba, que, inclusive, é medicinal e não tem nenhum efeito colateral. Peguei uma folha e espalhei aquela baba por toda extensão do meu cacete. À princípio ela ficou com medo, mais eu a tranqüilizei dizendo que não tinha problema algum. E novamente me posicionai e fui empurrando o meu pau naquela grutinha apertada. Dessa vez entrou até o talo. Ela gritava, se contorcia e eu aumentava cada vez mais o ritmo. Gozamos juntos iguais a dois animais no cio. Mas eu ainda não estava satisfeito e propus ela se virar e me dar aquela bunda maravilhosa. Ela disse que meu pau era muito grande e, apesar dela já ter dado uma vez a bundinha ao namoradinho do prédio onde morava, o garoto tinha o pau pequeno e fino, o contrário do meu. Quando ela disse que tinha dado, minha esperança reacendeu. E prometi ser o mais carinhoso possível. Ela apenas virou a bundinha para o meu lado, porém com um ar de intranqüilidade no rosto juvenil. Fui pegar mais uma folha de babosa e refiz o mesmo procedimento. Inicialmente, coloquei um dedo e depois dois dedos para que seu cuzinho se acostumasse com o volume que iria receber. Quando ela estava bem relaxada, mandei ver. Botei todinho. Senti o meu saco batendo em sua bundinha. Foi sensacional. Indescritível a sensação. Gozei como um cavalo em sua bunda... Depois ainda trepamos mais umas três vezes até voltarmos para casa. Repetimos esse ritual o resto das suas férias

Marcadores: , , , , , , , , ,





quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Chupei meu aluno até ele gozar na minha boca

Sou professora de línguas no Rio de Janeiro. Casada, 41 anos (sorry!), dois filhos e um marido lindo. Na verdade, sinto-me com muito menos que quarenta anos, e as pessoas me dizem que tenho um corpo super de menina e que sou bem conservada. Sei que isso não è mentira, pois tenho espelho em casa e, apesar de todos os defeitos que posso encontrar com o meu corpo, considero que faço um belo sucesso de biquini na praia. Tenho cabelos castanhos não muito longos e olhos verdes.
Até esta história ter acontecido, eu jamais tinha sido infiel ao meu marido. Temos uma vida sexual saudável, picante e variada. Ele viaja durante a semana e nos finais de semana, durante os últimos dez anos, descontamos o atraso com “trepadas inesquecíveis” (como ele costuma dizer).
Dou aulas particulares para executivos em empresas, que variam, de aulas individuais para aulas em grupos. Na maior parte, homens. Estou acostumada às suas cantadas baratas, e são poucos os que me respeitam até o final do semestre. Quase sempre caem no ridículo de me fazerem propostas indecentes e depois têm de arcar com a vergonha de terem sido desprezados.
Recentemente um aluno novo, transferido de São Paulo, começou um curso para poder melhor se comunicar com a matriz na Europa. Seu nome é Eduardo, tem 43 anos, moreno, em boa forma, de olhos castanhos e um lábio inferior carnudo, gostoso, que ao balançar quando fala chegava a amolecer as minhas pernas. Eduardo mostrou-se um homem extremamente simpático, repeitador e um aluno dos mais aplicados. Aprendia rapidamente com uma facilidade invejável e um charme irresistível. Contou-me que estava no Rio e sua família tinha ficado em São Paulo. Sim, era casado! Da mesma maneira que eu, teve filhos ainda jovem. Possuía um filho de 16 anos, um de 10 e um de 8. (Eu tenho uma filha de 15 e um filho de 13 anos). Sua família viria definitivamente para o Rio somente depois do Natal.
O que mais me perturbava em Eduardo era a maneira séria que ele se comportava na aula sempre olhando-me diretamente nos olhos. Seu olhar era tão penetrante que poucas vezes eu podia sustentar. Com o passar do tempo comecei a achar um desafio sustentar o seu olhar. Ainda assim, cada vez que seus olhos entravam pelos meus, aquilo começava a me dar uma coceirinha aqui em baixo e eu tinha a impressão que ele podia adivinhar que eu estava ficando vergonhosamente molhada.
Eduardo alguma vez ou outra me fez elogios discretos, elegantes, sobre minha beleza, ou minha juventude, ou meu perfume. Nunca nada escandaloso, mas com um charme que começou a mexer com as minhas fantasias. Depois de algumas semanas eu já não aguentava mais pra chegar a hora de minha aula com ele.
A oportunidade de um encontro mais íntimo surgiu na aula em que falamos sobre comidas, restaurantes, etc. Eu sempre levo meus alunos para jantar em um restaurante Francês e o tempo todo estamos proibidos de falar português. Sugeri então este programa e ele aceitou, sem hesitar. Busquei-o em seu apartamento e dirigi ao restaurante. Durante o jantar ele foi charmoso e educado, mas bem mais atrevido. Insistiu que eu deveria ir até o seu apartamento experimentar um vinho espanhol que ele tinha. Ri maliciosamente e disse que seria somente isso, e que eu sabia me defender, mas não disse que não. Ao final, ele agiu o tempo todo como se realmente fossemos à sua casa. E o tempo todo eu olhava para os lados pra ver se não tinha alguém conhecido. Eu sempre levava os meus alunos para jantar, mas naquele dia eu me sentia como se exalasse um perfume que se chamava claramente TRAIÇÃO.
Levei-o para o seu apartamento e ele indicou onde eu pudesse estacionar o carro. Subi com ele – o meu coração a mil! Super nervosa. Eu quase tremia. Ele deve ter percebido e me tratou com tranquilidade, acalmando-me sutilmente. Serviu-me o vinho e tomamos olhando-nos nos olhos. Depois disso ele se aproximou bem devagar do meu rosto e me deu um beijinho nos lábios. Um beijinho molhado, praticamente uma chupadinha nos meus lábios. Sorri nervosa e disse que era melhor a gente parar por ali. Ele não disse nada e veio beijar-me, de leve novamente. Desta vez acabei deixando minha linguinha passar por seus lábios, principalmente sentindo o peso daquele delicioso beiço que tentava me agarrar por baixo. Comecei a ficar extremamente excitada, mas algo me brecou. Pedi para pararmos por ali, pois eu iria para casa. Meus filhos poderiam estar ainda acordados e não seria legal chegar muito tarde.
Eduardo pediu licença, levantou-se e levou o vinho para a cozinha. Voltou para a sala e, antes que eu pudesse perceber, ficou em parado em pé, bem na minha frente, abriu o cinto, baixou o zíper e retirou um pau enorme pra fora da calça.
QUE PAU!!!
Considero meu marido muito bem dotado (19-20 cms), mas eu nunca tinha visto uma coisa daquele tamanho, ao vivo. Um pintão enorme, muito grosso e comprido, cheio. Não estava completamente duro, pois estava ainda caidão, balançando um pouco pra cima, endurecendo aos soquinhos. Tentei não olhar, e perguntei o que era que ele pretendia com aquilo. Enquanto ele me respondia com a mesma pergunta, eu percebi que não conseguia tirar os olhos daquele fabuloso CARALHO, como meu marido o teria chamado.
- Não consigo acreditar que você acabou de fazer isso, Eduardo! - disse eu, ainda de braços cruzados.
- Não consegue acreditar?- perguntou ele. Então toque pra crer?
Eu estava realmente com vontade de pegar num pinto grande. De bater uma punheta bem gostosa e ver um homem gozar com seu pau nas minhas mãos. Me sentia como uma menina. Mas no momento eu só dei uma risada nervosa e procurei olhar pra outro lugar.
Eduardo percebeu e perguntou, ainda em pé com aquele enorme cacete crescendo aos impulsos, acenando sua cabeçona para mim:
- O que houve, tem algum problema com o meu pinto?
Cínico. Naturalmente ele tinha perfeita noção que era extremamente bem dotado, que possuia um pinto para impressionar qualquer mulher. O que ele queria ouvir era um elogio ao seu porte.
- Problema nenhum com seu pinto - respondi, com um certo sorriso e uma olhadela naquele mastro, agora já totalmente na horizontal - O problema é que eu sou uma mulher casada e você é um homem casado.
- O PROBLEMA - corrigiu ele - é que eu estou morrendo de tesão por você e você está louca de vontade de segurar o meu pau e sentir ele inteiro em você, mas se isso não acontecer, amanhã nós estaremos lamentando.
Sua ousadia era revoltante e excitante. Ele estava certíssimo. Eu já não sabia mais o que fazer. Engoli em seco enquanto vi que ele começou a massagear o seu pau bem lenta e levemente. Meu aluno batendo uma punheta ali na minha cara, e eu me segurando para não ajudá-lo.
- Vamos lá – insistiu ele sorrindo – esta noite nós vamos ser safados – eu sou o seu puto e você vai ser a minha puta. Ou melhor: a puta do seu marido. Seu marido não te chama de puta quando vocês transam? Putinha? Então, hoje você vai ser a putinha dele! Vai chupar o pau de um outro homem até ele gozar na sua boca. Você vai ser tão puta que vai até engolir toda a porra deste outro homem.
Putinha! Era assim mesmo que o meu marido me chamava nas nossas trepadas mais fantásticas. E eu adorava me sentir uma putinha. Mas agora era a chance maior. Aquele homem fabuloso, lindo de morrer, charmosíssimo, alisando calmamente o seu pinto descomunal, duríssimo, sua cabeçona surgindo e desaparecendo em sua mão, a poucos centímetros do meu nariz, sabia realmente como me amolecer e como me deixar molhada. E se eu sucumbisse ao seu convite, seria uma coisa muito safada. Tinha tudo ali para que eu fosse uma PUTA! E como eu estava sendo atormentada por aquela sensação. Fiquei olhando nos seus olhos, com um meio sorriso nos lábios, secos. Passei a língua por eles, mas só percebi tarde demais.
- Tá te dando água na boca? – ele perguntou sem perder a chance – vem, coloca a boquinha aqui nesse canudinho que tem um leitinho bastante vitaminado.
Não consegui conter o riso e, antes que eu pudesse me dar conta, minhas mãos já estavam agarrando aquele caralho que pulsava na minha frente.
Puta pintão gostoso! Grosso como meu antebraço, enorme, com sua cabeçona quase do tamanho de um tomate. Assim que eu senti aquele cilindro de carne dura, quente nas minhas mãos, automaticamente abri a boca e fui aproximando-me lentamente da glande, girando com a lingua e sentindo a sua pontinha já melada.
- Ahhhhhhhh! – suspirou Eduardo – isso mesmo, assim , lambe gostoso, sua PUTINHA!
Brinquei um pouco com a língua na sua glande sem tirar os meus olhos dos dele. Fiz aquela carinha de safada que os homens gostam de ver quando recebem um boquete. Mas não resisti muito ali só com a língua e enfiei tudo o que pude na minha boca, afinal aquele pau era um banquete pra não ser desperdiçado.
- Isso, sua puta! – ele me dizia, agarrando minha cabeça pelos cabelos e fodendo a minha boca com o ritmo da chupada. Aquele pinto me entrava com dificuldade na boca. Acho que só menos da metade desaparecia em meus lábios, e cada vez que chegava ao fundo eu quase engasgava. Mas que delícia de sensação. Eu me sentia uma adolescente. Lembrava-me dos tempos do meu primeiro namorado com quem transei, o cara mais bem dotado que eu já conhecera até aquele momento. Ele tinha me ensinado quase tudo que sei em sexo. Fodíamos como dois coelhos. E seu pinto era enorme, delicioso! Adorava chupa-lo e engolir sua porra. Faziamos escondidos, às vezes com gente por perto. Só que depois que desmanchamos o namoro eu já estava mal acostumada, pois os homens com quem transei depois deixavam a desejar em comparação de tamanho. Foi só com meu marido que voltei a ter um amante mais bem dotado. Mas era naquele momento, ali, mais de desesseis anos depois de fielmente casada, que eu me encontrava com um outro pinto gigante, maior inclusive. Grosso, comprido, apontado para o meu rosto, saindo de um homem lindo com quem eu deveria ter uma relacão extritamente profissional, mas que eu agora chupava com apetite. Eu me senti safada, uma piranha, como se meu marido estivesse numa outra sala ali do lado, conversando com a esposa do Eduardo, e eu, PUTINHA, numa rapidinha ali, chupando o seu pau pra matar o nosso tesão.
- Putona gostosa! – continuou Eduardo – gosta de chupar um pau?
- Hummmhummmmm! – Respondi, olhando em seu rosto de felicidade e tentando formar um sorriso com a minha boca cheia de pinto.
- Já tinha feito um boquete que não fosse para o seu marido?
- Hummmhummmmm!
- Depois de casada???
Tirei a boca do seu pinto e disse : - Claro que não. Antes de casada! – e voltei a abocanhar aquela tora.
- Então essa é a primeira chifradinha ?
- Hummmhummmmm!
- E tá gostando?
- Hummmhummmmm!
- Tá gostando de ser uma puta de verdade? De chifrar o seu marido chupando o pau de outro homem?
Tirei mais uma vez a boca do seu pau e levantei-o bem, para que pudesse dar uma lambida bem grande em todo o seu comprimento, pela parte de baixo. Olhei para o seu rosto e falei enquanto o punhetava – estou adorando!
Tentei segurar o seu saco, mas a calça estava apertada. Larguei o pinto e baixei suas calças e sua cueca. Livrei o saco e acariciei-o, apreciando toda a envergadura daquele caralho. Ali na hora calculei que deveria ter uns 23 centímetros. Lambi o beiço e rosnei. – Ai, que pintão mais lindo!
-Chupa então sua putinha – ele dizia, enquanto eu voltava a xupetá-lo. – chupa que nem uma puta que eu quero gozar na sua boca.
Acelerei mais os movimentos da minha cabeça, mamando com a minha linguinha pra fora, coçando a sua glande por baixo. Comecei a bater mais punheta com as duas mãos a parte do seu pau que não cabia na minha boca.
- Quer engolir porra? – perguntou ele, já com a voz meio trêmula
- Hummmhummmmm! – respondi, chupando-o freneticamente.
- Posso gozar na sua boca então?
- Hummmhummmmm! – eu estava louca pra engolir todo o seu esperma.
- Quer que eu esporreie na sua boca então??? – disse ele quase gritando.
- HUMMMHUMMMMM! – respondi nervosa, quase gemendo, preparando-me para a explosão, mamando somente a sua glande, que por si só quase já enchia a minha boca.
- ENTÃO ENGOLE, SUA PUTA! – ordenou-me ele, segurando-me pelos cabelos com força enquanto seu corpo todo se contraía para ejacular uma quantidade anormal de esperma na minha boca. O primeiro jato quase me afogou. Para engolir continuamente eu tinha que mamar, mas outros jatos seguiam me enchendo a boca cada vez mais, sem que eu desse conta de engolir tudo. Antes que eu engasgasse, finalmente meus lábios explodiram esperma pelo meu queixo, minhas mãos e até no meu joelho.
- Engole – gemeu ele – engole tudo sua putinha, não vai me sujar o chão!
- Tirei a boca de seu cacete pra poder engolir melhor a porra que se acumulara na minha boca, mas assim que aquela cabeçona redonda e brilhante saiu dos meus labios, cuspiu-me furiosa um outro belo jato de porra na testa.
- VAI SUA PUTA, JÁ FALEI PRA ENGOLIR! – ele gritou. Fiquei com ódio de sua estupidez, mas mais excitada por estar agindo como uma puta e voltei a mamar vigorosamente naquele delicioso caralho quentinho que foi aos poucos esgotando suas reservas de leitinho na minha língua. Saboreei cada ejaculada apertando a língua contra o palato, o que fez o Eduardo pirar a cada vez que eu engolia.
Ao final, enquanto ele gemia seus últimos suspiros, agora sem me afogar com mais esperma, eu continuava enfiando todo aquele caralho na boca e tirando bem devagar, sugando e sorvendo toda a porra que cobria aquele cilindro de carne, ainda duro, mas agora mais macio, começando a pesar mais, brilhando e queimando como uma linguiça que acabou de sair da grelha.
Eduardo acariciou o meu rosto vigorosamente. Passou a mão pela porra na minha testa e sobrancelha e esfregou o meu cabelo, deixando-o todo melado. Canalha! Segurou-me pelo cabelo, levantou-me e beijou-me na boca, um beijo violento, onde sua lingua certamente provou do gosto da sua porra que eu ainda tinha na boca. Olhou-me com tesão e me largou.
Saí desesperada, para o banheiro. O cabelo não tinha mais jeito. Eu teria que me lavar em casa. Enxuguei a porra que escorrera pelo meu pescoço, despedi-me rapidamente dele e sai correndo do seu apartamento. Eduardo, meio sem saber o que fazer, só conseguiu me fazer prometer que ligaria pra ele assim que eu chegasse em casa.
No caminho eu tentava me convencer que nunca mais aquilo se repetiria, mas ao mesmo tempo eu me via sendo comida violentamente pelo Eduardo, no elevador, na praia, no carro. Eu sentia as sensações daquela fantástica esporreada na minha boca e ainda me achava incrivelmente atraída por aquele macho.
Cheguei em casa e meus filhos ainda estavam acordados.
Tranquei-me no quarto e liguei para o Eduardo.
Ele disse que queria mais. Fiquei meio muda, nervosa e ouriçada, somente ouvindo suas descrições de como ele queria me comer na próxima vez. Descreveu sua fantasia de nós transando de uma maneira meio violenta. Ele queria me enrabar. Continuei muda, mas super excitada ainda, tanto que comecei a me masturbar, coisa que há muito tempo não fazia. Ele dizia que queria me carregar até a minha cama – a MINHA cama, onde durmo com meu marido – e me comer a bundinha alí.
Aquilo me deixou louca. Apesar de sempre me doer um bocado, adoro um sexo anal. Como o pau grosso do meu marido me machuca um pouco, uma vez ele me apareceu com um vibrador, mais fininho que o seu pau, mas que frequentemente ele enfia em meu rabinho e me faz gozar enquanto ele goza ao mesmo tempo na minha xoxota.
Perguntei ao Eduardo se ele estava se masturbando e ele confirmou. Pedi pra que ele me descrevesse o que estava fazendo. Como ele não foi muito criativo, comecei a pedir com detalhes como EU queria que ele se masturbasse. Que ele acariciasse o seu saco, fizesse anéis com os seus dedos. Depois mandei ele ensaboar uma das mãos e pedi que com uma mão ele segurasse a base do pau bem forte e com a outra ensaboada ele batesse uma punheta só na chapeleta, apertando bastante. Pedi que ele me descrevesse. Ele perdeu o controle e em vinte segundos já estava gozando. Eu, encharcada, ainda não tinha gozado. Perguntei se ele tinha sujado o chão, mas ele disse que estava deitado, que tinha gozado na barriga.
Logo depois nos despedimos e ele desligou.
Ainda insaciada, pela primeira vez na vida, busquei o vibrador. Escondi-o debaixo do travesseiro, saí do quarto e verifiquei que meus filhos já estavam dormindo. Voltei, tranquei-me novamente e liguei para o meu marido. Acordei-o, mas fiquei toda melada pelo telefone. Falei que estava sentindo a sua falta. Sentindo falta do seu pau gostoso. Falei pra ele como eu queria que ele me comesse, utilizando as mesmas palavras que o Eduardo descrevera a sua fantasia um pouco antes. Meu marido ficou doido, apesar de eu ter ligado muito tarde. Eu me masturbava com o vibrador, e enquanto descrevia o sexo anal que queria que ele me fizesse na beira da cama, enfiei o vibrador na bundinha. Ele me entrou macio, enquanto meus dedos se enxarcavam na minha xoxota.
Gozei gostoso, e pedi ao meu marido que não gozasse. Que guardasse sua porra para mim. Ele me xingou – de brincadeira – e disse que táva difícil, mas que iria tentar.
Na sexta feira eu fui buscar o meu marido no Aeroporto e fiz que ele dirigisse de volta pra casa enquanto eu o chupava. Não deixei ele gozar. Ao chegar em casa, com nossos filhos ja saídos para a noite, sentei-me no sofá e deixei-o em pé, na minha frente. Repeti todo o processo que tinha feito com o Eduardo. O pau do Cláudio, meu marido, parecia que iria explodir de tão duro. E ele provou que guardara a sua porra: acabou me dando um belo chafariz de esperma no rosto. Direcionei os jatos para a minha boca. Melei toda a cara e continuei chupando-o.
- Adoro engolir sua porra! – eu disse, bem com um jeito de puta. E ao mesmo tempo pensei como tinha sido bom engolir a porra do meu aluno, Eduardo.
Fomos para o quarto e ele me chupou a xoxota até eu atingir um orgasmo delicioso e ele voltar a ficar no ponto. Depois de uma maratona de posições ele me colocou de quatro na beira da cama e me enterrou seu cacete fundo na minha bundinha. Quase desfaleci de dor e tesão. Foi uma das minhas melhores trepadas, e o tempo todo eu estava fantasiando com o Eduardo.
Depois disso o meu affair ficaria muito mais intenso, entre eu e o Eduardo. E pra completar, as nossas famílias iriam se envolver de uma maneira inesperada. Mas são outras histórias, que valerão ainda muitos outros contos.

Marcadores: , , , , , , ,